Províncias

População da Pambala consome água da lagoa

Edson Fontes | Pambala

O bairro da Pambala, na comuna da Barra do Dande, está carenciada de água para o consumo humano, informou ontem o seu coordenador, Manuel André Cartão.

Segundo o coordenador, no bairro da Pambala residem 178 habitantes, que se dedicam à pesca e a­gricultura familiar, como meios de subsistência.
 “Consumimos água imprópria e estamos cientes deste facto. Há um canal que desce do rio Lifune e abastece a lagoa da Pambala, rodeada de capim, cuja água tem cheiro esquisito e uma cor não a­propriada”, disse  .
Os moradores geralmente usam lixívia para desinfectar a água para beber, mas mesmo assim têm aparecido frequentemente doenças, devido ao consumo da água da lagoa. Manuel André Cartão apela às autoridades provinciais e municipais para melhorarem as condições de vida da região.

Assistência médica


Manuel André Cartão disse ainda que as pessoas quando estão doentes percorrem 20 quilómetros em busca de assistência médica. Os doentes graves, acrescentou, são transportados em tipóias, por falta de ambulâncias.
O coordenador do bairro da Pambala lamentou o estado degradado da via de acesso, que tem imenso potencial turístico.
“Temos dificuldades com o acesso de veículos automóveis, uma vez que os táxis são motorizadas”, disse Manuel André Cartão. Acrescentando que  cada passageiro paga 500 kwanzas da Pambala à estrada dos Libongos e 700 kwanzas da Pambala até à Barra do Dande.
“Quando há boas colheitas, os produtos são recolhidos e transportados em motos para serem vendidos na sede da comuna ou nos Libongos, visto que da Pambala à estrada temos que percorrer 12 quilómetros”, acrescentou. 
A região tem pescadores organizados, mas a falta de material impede que desenvolvam os seus trabalhos. “Recorremos a Luanda, nos mercados e lojas, para conseguir anzóis, redes, linhas, chumbos e agulhas”.
A região tem potencialialidades para o turismo, mas são necessárias infra-estruturas sociais, para melhorar a qualidade de vida na comunidade, como um centro médico, posto policial, sistemas de a­bastecimento e fornecimento de água e energia eléctrica.
O bairro da Pambala tem uma escola do primeiro ciclo, com três salas que acolhem 58 alunos, segundo o seu coordenador.

Tempo

Multimédia