Províncias

Serviço de Saúde com qualidade

Maiomona Artur | Caxito

O director provincial da Saúde do Bengo, Mbala Kussunga, disse ontem, na cidade do Caxito, que os serviços registam mais qualidade e há melhorias no atendimento dos pacientes.

Aumento de unidade sanitárias permitiu o desafogamento de outros postos
Fotografia: Santos Pedro

O director provincial da Saúde do Bengo, Mbala Kussunga, disse ontem, na cidade do Caxito, que os serviços registam mais qualidade e há melhorias no atendimento dos pacientes. A região conta com 119 unidades sanitárias, que garantem assistência médica e medicamentosa às populações dos oito municípios.
Mbala Kussunga revelou que, no âmbito do alargamento dos serviços, está em curso, desde 2008, a construção de um hospital na comuna da Barra do Dande, com 80 camas. Há ainda outra unidade em construção no município de Nambuangongo. Este hospital vai ter uma capacidade para internar 100 pacientes e prestar serviços de cirurgia, maternidade, pediatria e análises clínicas.
Relativamente às restantes unidades hospitalares, o Executivo, através do Programa de Reforço e Melhoria dos Serviços Sanitários, prevê ampliar as unidades já existentes com outras valências.
O Fundo de Apoio Social (FAS), em colaboração com o Ministério da Saúde, está a construir um hospital, no bairro do Quitongola, município do Dande, e a reabilitar o bloco operatório da unidade sanitária dos Dembos.
Sublinhou que, em termos de recursos humanos, o sector da Saúde tem agora 1.771 enfermeiros e 75 médicos. Mbala Kussunga disse ainda que o pessoal médico e os enfermeiros têm vindo a beneficiar de cursos de qualificação profissional, com o objectivo de melhorarem a qualidade do trabalho prestado aos pacientes.

Ética e profissionalismo

O secretário da Associação Provincial dos Enfermeiros, Anacleto Francisco, defendeu a necessidade dos profissionais respeitarem a ética e a deontologia profissional no exercício das suas actividades.
O enquadramento de mais técnicos sanitários dos níveis básico, médio e de mais médicos das várias especialidades constitui, para a província, uma mais-valia.
A associação tem vindo a desenvolver algumas actividades de carácter educativo para que os associados estejam preparados para dar repostas às preocupações das populações, que diariamente acorrem aos serviços de saúde.
Anacleto Francisco revelou que uma das grandes dificuldades que a associação enfrenta tem a ver com a recusa dos profissionais em trabalhar nos municípios e comunas, devido à falta de casas. Pediu aos enfermeiros do Bengo para darem continuidade à missão de salvar vidas e cuidarem cada vez melhor dos pacientes.

Tempo

Multimédia