Províncias

TPA expande sinal a mais municípios

António Capitão | Songo

As populações da sede municipal do Songo acompanham, desde a última sexta-feira, a grelha de programação do canal 1 da Televisão Pública de Angola (TPA).

Munícipes do Songo mais informados
Fotografia: António Capita | Songo

As populações da sede municipal do Songo acompanham, desde a última sexta-feira, a grelha de programação do canal 1 da Televisão Pública de Angola (TPA).
Domingos Augusto,  22 anos, que assistia ao acto orientado pelo governador Paulo Pombolo, não hesitou em sintonizar o sinal da televisão no seu telemóvel, no momento em que o governante anunciava a presença do sinal no município.  Entusiasmado, chamou os amigos para confirmarem o facto.
“A população do município do Songo é maioritariamente jovem e estamos todos apostados na formação académica. Tínhamos muitos problemas em termos de conhecimentos gerais, tudo porque a informação nos chegava tardiamente. Mas agora, com a instalação do sinal da TPA, temos a oportunidade de sabermos tudo o que acontece na província, no país e no mundo”, disse Domingos Augusto.  
 
Professores irregulares

A criação de uma comissão para trabalhar com as administrações municipais e repartições locais da Educação, na avaliação do engajamento dos docentes regulares e análise da situação de um grande número de professores que permanecem ausentes dos seus locais de trabalho, é determinante para melhorar o funcionamento do sector, disse o governador do Uíge.
Paulo Pombolo afirmou, no último final de semana, durante a visita efectuada ao município do Songo, que existem muitos professores colocados nos municípios, comunas e aldeias que não trabalham, mas recebem regularmente os seus ordenados. “Esses docentes devem ser punidos ou mesmo expulsos do sector da Educação”, disse o governador, para quem as insuficiências verificadas no município do Songo têm contribuído bastante para o aumento do número de crianças que se encontram fora do sistema normal de ensino.
Paulo Pombolo garantiu que o Executivo vai continuar a trabalhar para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem na província.
“A construção de mais salas deve ser feita de forma contínua, tendo em conta que a cada ano que passa mais crianças atingem a idade escolar e mais jovens procuram níveis mais elevados de ensino”, referiu Paulo Pombolo.
 O governador afirmou que a falta de professores pode ser minimizada nos próximos dias, com o envio de um número considerável de professores admitidos no último concurso público.
Songo necessita de pelo menos 105 novos professores e mais 256 salas, para a normalização do funcionamento do sector da Educação.

Tempo

Multimédia