Províncias

Bengo precisa de mais salas e professores

Alfredo Ferreira | Bengo

Mais de 13 mil crianças, na província do Bengo, encontram-se fora do sistema escolar, devido à falta de salas de aula e de professores, afirmou ontem, em Caxito, o director do Instituto Nacional da Criança (INAC).

Número de crianças fora do ensino pode diminuir nos próximos dias com a realização de concurso público para admissão de mais docentes
Fotografia: Edmundo Eucílio | Bengo

Luciano Chila, que falava em conferência de imprensa, disse que a situação é preocupante, tendo adiantado que o Governo Provincial do Bengo está a fazer de tudo no sentido de reduzir este número, com a construção de mais salas de aula nos seis municípios da província.
O dirigente disse que a luta do Inac e do Governo é dar melhores condições de escolaridade e cumprir os 11 compromissos das crianças, promovendo a qualidade de ensino, através da formação e capacitação de docentes e não só.
Luciano Chila informou que as 27 crianças, de cinco aos dez anos de idade, infectadas com o VIH/SIDA têm recebido apoio alimentar, como papa e leite, e cuidados de saúde do Instituto Nacional da Criança (INAC) e da Direcção Provincial da Assistência e Reinserção Social.
O director do INAC referiu  que as crianças gozam de boa saúde e que o Inac e os seus parceiros, que compreendem o Conselho Nacional da Criança (CNC), sob a presidência do governador João Bernardo de Miranda, têm gizado programas que visam a localização de menores afectados, para o seu acompanhamento. As redes de Protecção e Promoção dos Direitos da Criança, segundo Luciano Chila, estão implementadas nos seis municípios que compõem a província do Bengo e nas comunas. Referiu que, com as referidas redes, está a ser possível receber denúncias por parte das famílias sobre violência doméstica e localizar parentes desaparecidos.
No primeiro semestre deste ano, o INAC registou 15 casos de violência contra a criança, mais 18 em relação a igual período de 2015, com destaque para ofensas corporais graves, fuga à paternidade e abuso sexual. Luciano Chila disse que houve um aumento de casos, porque algumas pessoas continuam a desobedecer os conselhos das autoridades. O director provincial do Instituto Nacional da Criança enalteceu o trabalho do Governo da Província do Bengo, quanto aos projectos implementados no domínio da sobrevivência e saúde da criança, com maior incidência no combate às altas taxas de mortalidade infantil.
Luciano Chila  disse que constam da lista dos projectos o pacote integrado de serviços de saúde promocional, preventiva e curativa, programas de nutrição, através de uma dieta alimentar, e ampliação da prevenção e tratamento do VIH/Sida em crianças e adolescentes. Luciano Chila avançou, igualmente, que o Governo do Bengo expandiu a cobertura de fontes melhoradas de abastecimento de água e a instalação de saneamento básico nas zonas rurais e urbanas.
A criação de 57 focos de denúncias “SOS” em todos os municípios e comunas da província do Bengo fazem parte do pacote de projectos que visam apoiar as crianças e adolescentes desta parcela do território nacional.
Luciano Chila afirmou que os 11 compromissos da criança têm sido cumpridos, pelo que apelou às pessoas para participarem directa ou indirectamente neste processo, para a sua concretização integral.

Tempo

Multimédia