Províncias

0Lançada em Benguela campanha de combate à malária

António Gonçalves | Benguela

Os habitantes do município da Baía Farta, na província de Benguela, vão beneficiar, na quinta-feira, 19, de cerca de 1.100 mosquiteiros tratados com insecticida de longa duração, no âmbito da campanha de comunicação para a utilização dos equipamentos.

Campanha consta de uma doação do Governo dos Estados Unidos através da Agência para o Desenvolvimento Internacional
Fotografia: Eduardo Pedro

Uma nota de imprensa do Serviço Internacional para a População (PSI/Angola) a que o Jornal de Angola teve acesso, refere que os mosquiteiros a serem distribuídos durante a campanha constam de uma doação do governo dos Estados Unidos, através da Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID), na base da Iniciativa do Presidente dos EUA contra a Malária.
O documento aponta igualmente que as duas actividades se inserem no actual plano estratégico do Programa Nacional de Controlo da Malária do Executivo, criado para a prevenção da endemia no país, que vai beneficiar mais de seis milhões de pessoas.
O director da USAID no país, Jason Fraser, avançou que esta campanha, liderada pelo PSI/Angola, integra-se no âmbito do apoio e financiamento da agência que dirige na base da Iniciativa do Presidente dos EUA contra a Malária ao Programa Nacional de Controlo da doença, para a implementação da sua estratégia de redução da taxa de incidência desta endemia em Angola.
A campanha vem reforçar as acções de prevenção e inclui a distribuição gratuita de mosquiteiros.

Projecto “Meus Bebés”

Sob o lema “Sou Mãe. Protejo os “Meus Bebés”, a PSI/Angola pretende nesta campanha de comunicação encorajar as tutoras de crianças menores de cinco anos para o uso consistente dos mosquiteiros tratados com insecticida de longa duração, que são distribuídos nas zonas rurais e peri-urbanas. A campanha de comunicação para o uso dos mosquiteiros na província de Benguela decorre desde Agosto deste ano e termina em Setembro de 2016. Antes, na província do Bié, a campanha foi aberta em Julho e, no Huambo, em Agosto, enquanto nas províncias do Uíge e Malanje, o processo vai ser lançado brevemente.
Para atingir um número maior de beneficiários, a PSI/Angola está a utilizar a estratégia interpessoal com aquilo que denomina de “educadores de pares”, que são formados para efectuar as visitas casa-a-casa e realizar reuniões comunitárias em igrejas e mercados. 
A campanha de entrega de mosquiteiros envolve igualmente a comunicação através da canção, que está a ser divulgada pela Emissora Provincial de Benguela, do grupo Radiodifusão Nacional de Angola, desde 15 de Outubro.
Na província do Huambo, a campanha de distribuição de mosquiteiros tratados com insecticida de longa duração, que está a ser liderada pelo PSI/Angola, desde 2011, já distribuiu até ao momento  1.015.457 mosquiteiros, para 1.537.273 beneficiários.

Bié e Zaire

A nível do Bié, até 2014, foram distribuídos 865.402 mosquiteiros, que beneficiaram 1.570.551 pessoas, enquanto na província do  Zaire, até o ano antepassado, foram 175.196 mosquiteiros para 373 pessoas.
 A distribuição de mosquiteiros na província do Cuanza Norte atingiu 185.600 mosquiteiros.
De referir que o mosquiteiro tratado com insecticida de longa duração actua como uma barreira física entre o mosquito transmissor da malária e a pessoa em risco de contrair a doença, protegendo as pessoas que dormem debaixo deste meio protector.
Por essa razão, a transmissão da malária é reduzida nas comunidades onde existe um grande número de pessoas que usam os mosquiteiros. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o uso de mosquiteiros desempenha um grande papel na redução da morbilidade e mortalidade por malária, especialmente entre crianças.
A Organização Mundial  da Saúde  registou igualmente uma diminuição de 25 por cento nas mortes por malária a nível mundial e uma redução de 33 por cento nos óbitos pela doença na África subsaariana, desde o ano 2000.

Tempo

Multimédia