Províncias

Acções de combate à malária são reforçadas em Benguela

Um total de 26 mobilizadores de intervenção da malária da Organização Humanitária Internacional (OHI), iniciaram quinta-feira, na cidade de Benguela, uma formação sobre Desenvolvimento Organizacional e Análises de Política Pública, no âmbito do projecto “Luta para o Controlo da Malária na Comunidade benguelense”, informou o director executivo da organização.

João Misselo disse que se trata de uma formação interna para reforço das capacidades dos técnicos da OHI no âmbito dos projectos da luta contra a malária.
“A formação, com a duração de três dias, é uma iniciativa da OHI, financiado pela ExxonMobil e vai permitir aos participantes debaterem sobre “O ciclo de vida das organizações”, “Triângulo organizacional e suas componentes”, “A cadeia de conhecimentos”, “Técnicas de recolha de informação e de recolha de dados”, “Análise e tratamento da informação”.
O evento propõe-se contribuir para a adopção de medidas de implementação de ferramentas e processo de desenvolvimento organizacional no seio das organizações da sociedade civil, no aumento de conhecimentos sobre as linhas de bases em que assentam os princípios de identificação, formulação e aplicação de políticas públicas nos domínios da educação, saúde e assistência social. Participam na formação técnicos que vão trabalhar nas comunidades de intervenção da malária nos municípios de Benguela e Baía Farta, segundo o director executivo da OHI.

Baía Farta

A administradora municipal da Baía Farta apelou à sociedade civil para a necessidade de mais diálogo na preparação de acções que visam a melhoria das condições da população. Maria João, que fazia o balanço das actividades dos 50 anos do município, assinalados a 13 de Dezembro, agradeceu o apoio da sociedade civil e reiterou os propósitos da administração municipal em inserir todas as crianças que se encontram fora do sistema normal de ensino e promover a assistência médica e medicamentosa.
O diácono Pedro Kakulu disse que o município cresceu em vários domínios, o que exige dos munícipes mais diálogo e solidariedade para com os governantes.
“Ninguém deve hipotecar a sua opinião, para criarmos a unidade na diversidade”, referiu, apelando para a renúncia aos actos de violência.
O município da Baía Farta celebrou a 13 de Dezembro a ascensão a concelho, desanexado do concelho de Benguela em 1965. Com uma população estimada em 102.90 habitantes que se dedicam à pesca no litoral e à agricultura e pecuária no interior, o município possui uma superfície de 6.774 quilómetros quadrados e três comunas, Dombe Grande, Equimina e Calohanga.

Tempo

Multimédia