Províncias

Administrador descontente com venda ilegal de terrenos

Jesus Silva | Lobito

O administrador municipal do Lobito, Amaro Ricardo, advertiu há dias que vai tomar medidas judiciais contra os cidadãos que se socorrem do nome dos sobas para efectuar a venda ilegal de terrenos das reservas fundiárias do Estado.

O administrador municipal do Lobito, Amaro Ricardo, advertiu há dias que vai tomar medidas judiciais contra os cidadãos que se socorrem do nome dos sobas para efectuar a venda ilegal de terrenos das reservas fundiárias do Estado.
Segundo ele, os vendedores ilegais podem ir parar à barra dos tribunais, caso se confirme a prática de actos delituosos.
Amaro Ricardo teceu estas considerações no final do encontro com as autoridades tradicionais (sobas), administradores comunais e de zonas e pediu-lhes para não se deixarem enganar nas suas áreas de jurisdição, nas quais oportunistas realizam este negócio rentável em nome das autoridades locais, com maior incidência dos sobas.
Com estas acções malfeitoras, os que procedem à venda ilegal de terras pretendem manchar o nome dos sobas, salientou o responsável.
A problemática da venda de terrenos e casas, nos últimos tempos, está a desarticular as relações de muitas famílias e amigos, e a provocar brigas, situação que está a implicar a intervenção dos órgãos judiciais.
As pessoas que estão a construir na zona alta da cidade vão beneficiar do Programa Nacional de Habitação, esclareceu Amaro Ricardo
A província de Benguela possui cerca de 20 mil hectares de reservas fundiárias em todos os municípios e comunas. As mais conhecidas e concorridas do Lobito são a de Cabais, Luongo e a adjacente ao novo mercado informal Sabalo M’bangubangu. 

Tempo

Multimédia