Províncias

Alunos com acesso directo

Maximiano Filipe | Benguela

Mais de 125 mil alunos, com idades entre os cinco e os 17 anos, vão ter acesso directo ao sistema de ensino no ano lectivo 2016/2017, nas escolas do ensino público na província de Benguela, garantiu, no fim-de-semana, em Benguela, o director provincial da Educação.

Estão criadas todas as condições para o ingresso do maior número de alunos em Benguela
Fotografia: Paulo Mulaza

Samuel Maleze, que falava durante a cerimónia de cumprimentos de fim de ano, na presença de quadros do sector da Educação, afirmou que estão criadas todas as condições infra-estruturais e materiais para o ingresso do maior número de alunos nas classes da iniciação à décima classe.
Em função das dificuldades que muitas famílias enfrentam para matricularem os seus educandos, no início de cada ano lectivo, o responsável do sector referiu que são matriculados na iniciação e 1ª classe 70.210 crianças, das 125 mil a ingressarem este ano.
O director provincial da Educação acrescentou que no âmbito da estratégia do Governo da província de garantir o maior número de vagas, foram criados mecanismos para que o ingresso de alunos decorra de forma organizada, ordeira, mais facilitada e com celeridade.
Nesta conformidade, afirmou Samuel Maleze, o número de alunos a matricular no presente ano lectivo na décima classe vai atingir 20.935, um aumento considerável em relação aos anos transactos, assim como 33.686 alunos na sétima classe.
O aumento no ingresso de alunos no ensino público na província deve-se ao facto de o Governo ter-se empenhado no último ano na construção de mais salas de aulas, em todos os municípios, comunas, aldeias e povoações.
Durante o tempo de paz efectiva a província de Benguela ganhou 76 novas salas de aulas, com capacidade de 45 alunos cada, apetrechadas, que garantem a acomodação dos educandos e educadores, assim como permitem uma melhor assimilação dos conteúdos ministrados, no quadro do plano geral da reforma educativa. O sector vai conhecer no presente ano lectivo uma evolução, que passa pela entrada em funcionamento de cursos de formação de professores para o pré-escolar e o de ciências agrárias.
No domínio do reforço do pessoal docente, administrativo e de inspecção, para garantir um melhor funcionamento do sector na província, tendo em conta os desafios que actualmente se impõem, Samuel Maleze referiu que o sector da Educação necessita de 6.793 novos funcionários, uma realidade que pode ser resolvida de forma paulatina, tendo em conta a conjuntura económica que o país vive.
Em termos de perspectivas, Samuel Maleze disse que estão programadas acções de acompanhamento e atendimento a crianças com necessidades educativas especiais, onde o pilar fundamental é a utilização de professores formados no Instituto Superior de Ciências da Educação.
“Temos igualmente a previsão de apetrechar os laboratórios de Física e Química dos institutos médios politécnicos da Baía Farta, Cubal e Balombo, bem como reforçar as actividades de supervisão nas Zonas de Influência Pedagógica, adicionado a um melhor acompanhamento do desempenho do professor frente ao aluno”, concluiu Samuel Maleze.

Tempo

Multimédia