Províncias

Benguela reforça as acções para o combate à pobreza

O problema da pobreza e da coesão social no país impõe à governação e à sociedade políticas urgentes que auxiliem a elevação da economia e contribua para a redução dos desequilíbrios sociais, disse, na segunda-feira,  em Benguela, a directora provincial da Assistência e Reinserção Social. 

Defendidas políticas para se inverter o quadro
Fotografia: Edições Novembro


Marinela Sendala, que falava numa conferência municipal sobre “A acção social em Angola”, sublinhou que tais políticas vão contribuir ainda na promoção social. Lembrou que o Ministério da Assistência e Reinserção Social implementou programas e projectos de assistência social, cuja trajectória acompanhou os diferentes períodos que marcaram a História do país.
Marinela Sendala disse que, nestes diferentes períodos, a acção social desenvolvida caracterizou-se pelo cariz humanitário e assistencialista, salvando vidas de crianças, famílias e pessoas deslocadas, ex-militares, bem como no apoio aos centros de reassentamento e o posterior regresso dos cidadãos às suas áreas de origem.
“Hoje a dimensão é diferente, passamos a dar respostas aos novos e complexos problemas que a população enfrenta, que requer do sector uma intervenção assente numa perspectiva de desenvolvimento integral dos indivíduos, famílias e  comunidades”, disse a directora.
Marinela Sendala afirmou  que toda a actuação do sector tem em conta a criação de condições para as áreas de expansão da economia, com terras livres de minas  onde possam crescer indústrias.A conferência, uma iniciativa da Direcção Provincial da Assistência e Reinserção Social, debateu temas como a “Importância da acção social conjunta, integrada, multissectorial e disciplinar no contexto actual”, “Municipalização da acção social”, “cadastro social único”, “Sistema de informação e gestão da acção social” e “Bolsa de solidariedade social”.
O evento foi dirigido a representantes das administrações municipais, ex-militares, membros do executivo da província, partidos políticos com assento  parlamentar, entidades eclesiásticas e tradicionais e directores escolares.

Tempo

Multimédia