Províncias

Casos de violência doméstica estão a aumentar no Lobito

JESUS SILVA | Lobito

A chefe da secção municipal da Família e Promoção da Mulher, no Lobito, Isabel Martinho, disse ontem que o sector recebe mensalmente, em média, 20 casos de violência doméstica.

Efectivos do Exército Nacional sensibilizados a denunciarem casos de violência
Fotografia: JESUS SILVA

 

A chefe da secção municipal da Família e Promoção da Mulher, no Lobito, Isabel Martinho, disse ontem que o sector recebe mensalmente, em média, 20 casos de violência doméstica.
Boa parte dos casos, com maior incidência sobre questões relacionadas com fuga à paternidade, não pagamento de mesadas, ofensas morais e corporais, é protagonizada por efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA).
Isabel Martinho falava durante uma palestra sobre a Lei Contra a Violência Doméstica, dirigida a efectivos da Escola de Especialistas de Logística do Estado Maior General das FAA, no bairro da Cabaia, no Lobito.
A responsável municipal considerou ser necessário continuar a desenvolver acções que visem sensibilizar e moralizar pessoas de todos os extractos sociais, uma vez que este fenómeno está a afectar pobres e ricos.
Isabel Martinho apelou à sociedade para denunciar os casos de violência doméstica, por acreditar ser esta uma das formas de se levar os infractores à barra do tribunal.
As denúncias ajudam a desencorajar os prevaricadores e, consequentemente, reduzir de forma significativa este mal que afecta a sociedade, estando a ter um impacto bastante grande sobre as mulheres e crianças no município.
Na cidade do Lobito, a Escola de Especialistas de Logística das FAA foi a primeira unidade militar escolhida para acolher palestras sobre a Lei Contra a Violência Doméstica, desde a aprovação do documento pela Assembleia Nacional.
Os militares das FAA são mobilizados para o combate à violência doméstica porque têm grande influência nas comunidades urbanas em que estão inseridos e são ouvidos pelos vizinhos.

Tempo

Multimédia