Províncias

Centro oftalmológico opera centenas de doentes por dia

António Gonçalves | Benguela

Mais de 100 pacientes com problemas de cataratas vão ser operados por dia, a partir de agora, no Centro Oftalmológico Internacional, em Benguela, com a instalação do novo equipamento para o tratamento da doença ocular, doado pela Embaixada do Japão em Angola.

Novo equipamento doado pela Embaixada do Japão no país vai permitir que o centro aumente a sua capacidade de tratamento de casos de cataratas
Fotografia: António Gonçalves | Edições Novembro| Benguela

A cerimónia de doação do equipamento, inserida no programa de assistência a projectos comunitários de segurança humana da Embaixada japonesa, ocorreu ontem naquela instituição hospitalar, adstrita ao Hospital Geral de Benguela.
Avaliado em 101 mil dólares, o projecto tem a participação da empresa farmacêutica japonesa Rohto, por meio do fabricante de equipamentos oftalmológicos Nidek Co. Ltd., também do Japão, que vai oferecer gratuitamente cem lentes intra-oculares moldáveis, para tratar cataratas.
O vice-governador provincial de Benguela para a esfera económica, Gika Morais, disse que o facto de o Executivo angolano continuar a alargar a sua cooperação com a República do Japão, com a doação do equipamento para o tratamento de cataratas,  reforça as competências do Centro Oftalmológico Internacional, que, nos últimos tempos, realiza cirurgias tanto para nacionais como para cidadãos de alguns países vizinhos.
 Um técnico da Rohto, a empresa japonesa que doou o equipamento,  permanece durante quatro dias em Benguela, para formar os técnicos angolanos que vão operar o equipamento.
O director do Centro Oftalmológico de Benguela, Luís Varandas, afirmou que a doação foi resposta a uma solicitação da instituição que dirige, feita à Embaixada japonesa.
Luís Varandas agradeceu à Embaixada do Japão pela doação e à farmacêutica japonesa Rohto, por terem ajudado o equipamento a chegar a Angola.
 O embaixador japonês em Angola, Hironori Sawada, disse que a doação foi  uma resposta ao pedido do Presidente da República, João Lourenço, para a promoção do desenvolvimento humano e do bem-estar da população, daí ser uma das prioridades da cooperação do Japão com a República de Angola.

Projectos comunitários
O diplomata  nipónico  disse que o facto de as actividades para o melhoramento do bem-estar serem fundamentais para o desenvolvimento humano e o progresso sustentável, faz com que o seu país apoie os projectos comunitários em Angola, desde 1990, em sectores como a educação, saúde, infra-estruturas e desminagem, avaliados em nove milhões de dólares.
Na óptica de Hironori Sawada, a doação de 101 mil dólares ao Centro Oftalmológica, para a instalação de aparelhos cirúrgicos para tratar  cataratas, constitui uma cooperação com transferência de tecnologia de alta qualidade.

Mais sobre a doença
A catarana, uma das principas causas de asistência no Centro Oftalmológico, é uma opacificação do cristalino do olho que causa a diminuição da capacidade visual. Pode afectar um ou ambos os olhos e é frequente desenvolver-se lentamente. Os sintomas podem incluir visão desfocada, diminuição de sensibilidade às cores,  dificuldade em observar luzes brilhantes e em ver durante a noite.
Neste sentido, a doença pode afectar a capacidade de condução, de leitura e de reconhecimento de rostos.
As cataranas são a causa de metade dos casos de cegueira e de um terço das incapacidade visuais em todo o mundo.
Como medidas de prevenção da enfermidade, segundo os especialistas, os pacientes devem recorrer ao uso de óculos de sol, recomendados por pessoal treinado para o efeito, e deixar de fumar, caso o paciente seja um usuário de tabaco.
Quando os óculos não resultarem, os médicos aconselham que o doente deva ser submetido a uma cirurgia, como único tratamento, para que se remova o cristalino opaco e substitui-lo por uma lente artificial.

                                                               Administrador visita valas de drenagem do município do Lobito

O administrador municipal do Lobito, Nelson da Conceição, mostrou-se preocupado com o fraco assoreamento das sete principais valas de drenagem de águas fluviais, que podem provocar danos incalculáveis, caso se registem enxurradas nesta época chuvosa.
Nelson da Conceição, acompanhado pelo administrador adjunto do Lobito para a área técnica, Jone Dalton, visitou as valas de drenagem dos bairros da Luz, Santa Cruz, Chapanguele, Kavipa, Liro, Lobito-velho e Canata, onde constatou o seu real estado, numa fase em que a urbe já começou a receber as primeiras chuvas.
No termo da visita, a equipa técnica constatou que existe um mau procedimento de alguns munícipes, que ao invés de levarem o lixo aos contentores instalados para o efeito atiram-no às valas, motivo pelo qual deve ser levado a cabo um forte trabalho de sensibilização junto das comunidades.
Para se prevenir a situação, a Administração Municipal e algumas empresas públicas e privadas vão trabalhar para mobilizar meios materiais que possibilitem o desassoreamento das valas localizadas em zonas mais críticas.
De igual modo, prevê-se a construção de contra-fortes, junto de estabelecimentos escolares e postos médicos, para se evitar inundações nestes locais, visto que nos anos anteriores foram atingidas, forçando a suspensão de aulas durante os meses de Março e Abril.
Caso chova com intensidade nos próximos meses podem ser provocadas inundações, fenómeno que para o Lobito não é novidade e tem causado inúmeras desgraças, tais como desabamento de casas, ruas intransitáveis e inclusive a morte de pessoas.

Tempo

Multimédia