Províncias

Ciclistas pedalam contra o cancro

O grupo de ciclistas que desde o passado dia 10 realiza a volta de luta contra o cancro está desde quarta-feira em Benguela, onde, entre outras actividades, realiza palestras e distribui panfletos sobre a doença, para colmatar a carência de informação.

Na cidade de Benguela os ciclistas realizam várias campanhas de sensibilização
Fotografia: Kindala Manuel

O grupo de ciclistas que desde o passado dia 10 realiza a volta de luta contra o cancro está desde quarta-feira em Benguela, onde, entre outras actividades, realiza palestras e distribui panfletos sobre a doença, para colmatar a carência de informação.
À semelhança das outras províncias por que passaram, os mais de 30 ciclistas e alguns médicos que constituem a comitiva têm estado igualmente a distribuir preservativos.
Em Benguela, os membros da delegação foram recebidos pelo administrador municipal adjunto, Leopoldo Muhongo, que manifestou a disponibilidade do executivo local para apoiar projectos de combate à doença.  A volta, cujo destino é a capital do país (Luanda), partiu da província da Huíla e já passou pelo Namibe, Huambo e Bié, restando Kwanza-Sul, Kwanza-Norte, Malange, Uíge e Bengo.

Falta de oncologistas

O médico angolano Adão Casimiro, do Centro Nacional de Oncologia, afirmou na quinta-feira, na província de Benguela, que as sedes provinciais carecem de oncologistas para o diagnóstico rápido do cancro, para que as pessoas se previnam.
O também responsável pela volta de luta contra o cancro, organizada conjuntamente entre o Centro Nacional de Oncologia e os Amigos de Ciclismo, considerou preocupante a inexistência de especialistas em oncologia nas províncias, uma vez que tal facto tem inviabilizado o diagnóstico do cancro nos pacientes. />Adão Casimiro disseainda  que o grupo de ciclistas pretende despertar, sensibilizar e apoiar o atleta Osvaldo Filipe “Chala”, que desenvolveu um cancro denominado melanoma, que originou a amputação de um dos seus membros inferiores. O objectivo da volta está a ser alcançado, pois está a ser levada informação sobre o cancro às províncias pelas quais os ciclistas estão a passar, com vista à prevenção da doença.
“Se nos fosse possível, chegaríamos a vários municípios para realizar palestras sobre os sinais do cancro”, frisou Adão Casimiro, acrescentando que estão apenas a distribuir panfletos nas comunidades, para que possam identificar os sintomas e prevenir a doença.  Chamou ainda a atenção das pessoas para a necessidade de se preocuparem mais com a saúde, prevenindo a doença. “Nos encontros mantidos com as comunidades falámos do cancro da mama, da próstata e em especial o da pele, que é a mensagem que estamos a levar, em solidariedade para com o nosso amigo ciclista Chara e com todos aqueles que padecem da enfermidade”, frisou. Adão Casimiro acredita que com o empenho do Governo, da direcção da Saúde e dos Amigos de Ciclismo, o quadro do conhecimento e da prevenção no país vai ser melhorado.
O Centro Nacional de Oncologia tem núcleos em todas as províncias do país.

Tempo

Multimédia