Províncias

Colheita deste ano pode atingir 700 mil toneladas

António Gonçalves | Benguela

A campanha agrícola 2018/2019 na província de Benguela, que vai contar com  108 mil 750 famílias camponesas, poderá produzir  mais 700 mil toneladas de produtos diversos. A garantia foi dada ontem na comuna da Yambala, município do Cubal, pelo   director provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas, José Silva,  durante o acto de abertura oficial do evento.

Autoridades da província continuam a distribuir meios aos grupos de agricultores mobilizados para a campanha
Fotografia: António Gonçalves | Edições Novembro | Benguela

De acordo com o responsável, para que a campanha tenha o êxito preconizado, foram preparados 256 mil 383 hectares de terra, seis mil 789 dos quais de forma mecanizada, 55 mil 406 hectares com tracção animal e 91 mil 188 de forma manual.
Foram igualmente disponibilizadas  milhares de toneladas de fertilizantes, sendo cinco mil compostos, 600  simples  de sulfato de amónio e  mais 500  de ureia. Estão ainda  ao dispor dos agricultores  várias toneladas de sementes, entre as quais, 600 de milho, 50  de feijão, 10 de massambala, 10 de massango, meia de soja, 500 feixes de mandioqueiras, 500 unidades de instrumentos agrícolas diversos, 2.000 charruas de tracção animal e 30 pulverizadores.
Segundo José Silva, vão ser corrigidos cerca de 1.500 hectares de terra com o recurso ao calcário dolomítico nos municípios do Cubal, Ganda, Caimbambo e Chongorói e será prestada assistência aos produtores mediante a instalação de 203 campos de demonstração e 10 de treinamento, onde serão difundidas técnicas recomendadas para o cultivo das principais culturas praticadas na província, como milho, feijão, batata-doce e mandioca.
Para contornar os efeitos da estiagem que se tornou cíclica na província de Benguela, a  campanha agrícola vai fomentar a cultura da mandioca com a introdução de variedades melhoradas resistentes a doenças.
No decorrer do evento, vão ser vacinadas 150 mil cabeças de gado bovino contra a PBCB, dermatite nodular, carbúnculo sintomático e hemático.
“Esperamos assim ter nessa campanha uma produção estimada de dois mil 250 toneladas de carne, 22 milhões de ovos e 5 mil mudas de espécies diversas entre florestais e ornamentais”, preconizou  o responsável.

Tarefa do Estado
Para a vice-governadora de Benguela para o sector Político, Social e Económico, que orientou a cerimónia de abertura, a responsabilidade actual do Estado no desenvolvimento agrário prende-se à facilitação do crédito junto das instituições bancárias.
“Temos de nos habituar a fazer crédito bancário, para trabalharmos, e depois de  vendermos o nosso produto, restituir ao banco. O Estado  está disponível  para prestar ajuda neste sentido”, prometeu a governante.
 Segundo Deolinda Valiangula, o Governo pode dar às vezes mais um tractor, enxadas e algumas charruas, “mas tem de se habituar as pessoas a fazerem crédito.”

Clamor  por obras
A população da localidade da Taka, cerca de 30 km da sede do município do Cubal, clama pela reabilitação do açude, para a irrigação de todo o perímetro agrícola, bem como do posto de saúde local.Na mensagem lida durante a abertura da campanha, o representante da cooperativa agrícola de camponeses da região, denominada “Hoji ya Henda”,  ao mencionar as dificuldades com que se debatem, apontou a falta de tractor e a reabilitação do troço que liga a sede do município do Cubal à localidade, como factor impeditivo do escoamento da produção.
Fundada em 2003,  esta  cooperativa de camponeses está instalada numa área de 1.055 hectares e controla 1.550 agricultores, 77 dos quais mulheres.
Para esta campanha,  a cooperativa apenas preparou 44 hectares para o cultivo de milho, feijão, batata rena e doce, banana, ginguba, alho e cebola.

Tempo

Multimédia