Províncias

Combate à mortalidade infantil esteve em avaliação

Maximiano Filipe | Benguela

O ministro da Saúde, José Van-Dúnen, afirmou, em Benguela, que o programa nacional de combate à mortalidade infantil é avaliado em 2015, em função dos grandes indicadores positivos que o sector continua a alcançar nesse domínio nos poucos anos de paz.

Autoridades sanitárias da província de Benguela apostam no combate à mortalidade infantil no seio das comunidades rurais
Fotografia: Jornal de Angola

O ministro da Saúde, José Van-Dúnen, afirmou, em Benguela, que o programa nacional de combate à mortalidade infantil é avaliado em 2015, em função dos grandes indicadores positivos que o sector continua a alcançar nesse domínio nos poucos anos de paz.
O ministro falava durante a cerimónia de abertura das Jornadas de Pediatria, promovidas pelo sector, que decorrem com o apoio do Governo Provincial de Benguela e terminaram segunda-feira última.
Durante as jornadas, que decorreram sob o lema “O impacto da nutrição, infecções na morbi-mortalidade infantil”, o ministro considerou que o sector que dirige tem como meta a redução da mortalidade infantil.
Iniciado em 2000, o programa, adoptado no âmbito das Metas de Desenvolvimento do Milénio, insere-se no esforço global que o país tem de fazer para que, em 2015, o resultado esteja próximo dos objectivos definidos.
Durante a sua intervenção, o ministro da Saúde sublinhou que os esforços do Executivo no combate à pobreza vão juntar-se aos esforços que os profissionais realizam na obtenção de conhecimentos na matéria.
No que se refere à diminuição das diarreias agudas, José Van-Dúnem sublinhou que “as populações têm mais acesso à água potável e continuam a ser desenvolvidos esforços para melhoramento do saneamento básico, criando valas de drenagem, aumentando conhecimentos, dando uma maior responsabilidade individual, familiar e comunitária para que cada interveniente jogue o seu papel para facilitar todo o trabalho ligado a esta actividade”.
José Van-Dúnen destacou a realização de várias campanhas de vacinação como pilares fundamentais que têm vindo a prevenir a saúde das populações e controlar outras endemias, destaque para a diarreia, que decorre da falta de água potável e de higiene.
O titular da Saúde referiu-se igualmente aos conhecimentos que os profissionais de pediatria Receberam durante a realização das jornadas, o que vai possibilitar que saibam aproveitar melhor as oportunidades que têm do ponto de vista nutricional e aprofundar os conhecimentos sobre a influência que a má nutrição tem no prognóstico negativo relativamente à mortalidade infantil.
José Van-Dúnem considerou que o trabalho vai exigir da parte de cada um dos profissionais esforços redobrados para que não haja desperdícios e cada intervenção potencie outras intervenções.
José Van-Dúnen referiu-se à necessidade da sociedade continuar a desempenhar o seu papel, “trazendo para as prioridades nacionais a discussão desses temas, criando uma massa crítica que permita fazer com que os lugares comuns se transformem em locais para a abordagem de questões com carácter cientifico e, isso, permitir igualmente abordagens aprofundadas dos principais problemas que afectam a população, principalmente as crianças”.
Por ser uma província com características muito particulares do ponto de vista da intelectualidade, tudo indica que os profissionais de Benguela saíram do encontro mais robustecidos, reforçados com capacidades de servir com qualidade toda a sociedade, fundamentalmente as crianças, tendo em conta o lema “criança prioridade absoluta”, disse o ministro.

Abordagens

Durante os quatro dias das jornadas foram abordados temas como “A saúde e nutrição no combate à pobreza”, “O papel do profissional de saúde para o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio”, “A importância da nutrição na saúde infantil e as suas implicações na idade adulta”, “Princípios fisiológicos da alimentação pré-escolar”, e “As características nutritivas dos principais alimentos em Angola”.
Os participantes debateram questões ligadas à importância do binómio “nutrição infecção” na mortalidade infantil, impacto das infecções e má nutrição na mortalidade, as novas curvas de crescimento da OMS e a importância da harmonização, diagnóstico precoce da mal nutrição.
O estudo das crianças mal nutridas internadas no Hospital Provincial de Benguela e uma abordagem da pneumonia na criança em países com poucos recursos, novas recomendações da OMS sobre alimentação da criança com HIV SIDA também foram discutidas pelos profissionais da Saúde durante as Jornadas de Pediatria.
A cobertura de vacinas em Angola, a vigilância epidemiológica do sarampo, proposta de introdução de novas vacinas no país, integração escolar da criança hospitalizada, actualização na abordagem da diarreia aguda, foram igualmente abordados durante o encontro.
Participaram nas Jornadas de Pediatria 300 convidados, entre médicos, profissionais da Saúde e estudantes do curso de Medicina na área de Pediatria. Estiveram presentes ainda técnicos provenientes do Brasil, Portugal, Espanha e Moçambique.

Tempo

Multimédia