Províncias

Curso de primeiros socorros trata de acidentes nas escolas

Maximiano Filipe | Benguela

Pelo menos 60 directores de escolas do II ciclo do ensino secundário dos nove municípios de Benguela participaram, durante o mês de Setembro, no 1º curso de prevenção de acidentes e primeiros socorros promovido pela direcção provincial da Educação.

Pelo menos 60 directores de escolas do II ciclo do ensino secundário dos nove municípios de Benguela participaram, durante o mês de Setembro, no 1º curso de prevenção de acidentes e primeiros socorros promovido pela direcção provincial da Educação.
O curso, que teve a duração de dez dias, dotou os 30 participantes, agrupados em duas turmas constituídas para o efeito, de conteúdos teóricos sobre o sistema integrado de emergência médica; riscos para o socorrista; hemorragias e queimaduras; intoxicações.
Em matéria de conteúdos práticos, foram tratadas questões ligadas ao traumatismo de fracturas e o traumatismo dos tecidos moles.
O papel do educador e sua intervenção na prevenção de comportamentos desviantes; educação sexual; prevenção da maternidade e da paternidade precoce; higiene e educação alimentar e a saúde oral, foram outros temas abordados durante a formação.
A acção formativa, contou com a orientação do especialista em pedagogia avançada e técnicas básicas de saúde do Instituto do Ensino Superior de Portugal, ao serviço de uma agência de formação angolana.
De acordo com o director provincial da educação, Joaquim Pinheiro, a formação visou munir os formandos de ferramentas que os permitirão prestar os primeiros socorros em casos de acidentes que ­venham a ocorrer nas instituições escolares que dirigem.
Segundo Joaquim Pinheiro, com os conhecimentos adquiridos, situações que ocorram dentro do recinto escolar poderão ser prevenidas ou socorridas, tendo acrescentado que os alunos e funcionários administrativos na qualidade de alvos educativos, estão sujeitos a diferentes circunstâncias da vida, “dai que a direcção da educação em consciência, decidiu que é importante formar para cada escola um corpo de interventores em prevenção de acidentes e primeiros socorros”, frisou.

Gravidez precoce preocupa JMPLA

O director da maternidade do hospital provincial de Benguela, Adão de Barros, apelou na passada quarta feira a toda juventude no sentido de primar por comportamentos responsáveis de modo a evitar casos de gravidez precoce no seio da camada feminina.
O responsável falava durante uma palestra subordinada ao tema “Gravidez precoce e suas consequências”, promovida pelo secretariado municipal da JMPLA. A palestra decorreu no âmbito do lema “JMPLA esperança para um futuro melhor”, uma acção inserida na jornada do 17 de Setembro” e das comemorações do Dia Nacional do Trabalhador da Saúde, assinalado a 25 de Setembro. De acordo com o responsável, os abortos realizados como consequência de uma gravidez precoce, acontecem por falta de informação e preparação dos jovens. O médico, formado em ginecologia e obstetrícia, acrescentou que actualmente, actos de interrupção de gravidez no seio da juventude têm vindo a diminuir na província, em função das intensas campanhas de sensibilização e educação sobre gravidez precoce desenvolvidas pelos técnicos da maternidade junto das comunidades, onde esses casos surgiam com maior frequência.
Durante a palestra, o primeiro secretário municipal da JMPLA, Ricardo Catumbela, afirmou que com essas acções, baseadas em debates e palestras, a JMPLA pretende recolher contribuições sobre os diversos assuntos sociais que preocupam a sociedade, como forma de contribuir para as acções que o governo angolano vem desenvolvendo para a melhoria das condições sociais básicas da população.
Acrescentou que um dos grandes objectivos da realização da palestra foi o despertar a juventude sobre a necessidade de prevenção da gravidez precoce, assim como contribuir para o enriquecimento do programa do governo sobre a saúde reprodutiva.
A palestra contou com a participação de estudantes dos Institutos Médios Normal de Ensino, militantes da JMPLA, membros das associações cívicas, representantes das igrejas e estudantes dos cursos básicos de saúde.

Tempo

Multimédia