Províncias

Ensino Superior chega à Catumbela

Jesus Silva | Lobito

O primeiro Campus Universitário da comuna da Catumbela, no município do Lobito, começa a funcionar em Março do próximo ano, no quandro da expansão da Universidade Katyavala Buila.

Ângulo das futuras instalações do Ensino Superior em Benguela que começa a funcionar a partir de Março do próximo ano
Fotografia: Jesus Silva

O primeiro campus universitário da comuna da Catumbela, no município do Lobito, vai começar a funcionar a partir de Março do próximo ano, com os primeiros cursos ministrados por uma instituição de ensino superior público, no âmbito da expansão da Universidade Katyavala Buila, garantiu na sexta-feira o vice-governador provincial para a área social, Eliseu Epalanga.
Orçado em 28 milhões de dólares, o campus universitário vai ter capacidade para albergar cerca de 1.500 alunos, numa primeira fase, nos períodos da manhã e da tarde.
A instituição contará com 24 salas, dez laboratórios, área administrativa para gestão da actividade académica e científica, bibliotecas, 56 dormitórios, refeitório, central de emergências, sala de controlo, casa para o director e subdirector e uma capela com 80 lugares.
Eliseu Epalanga salientou que o empreendimento vai permitir à província apostar na formação de engenheiros de várias áreas, o que será um factor importante para o desenvolvimento económico e social da região.
O reitor da Universidade Katyavala Buila, Albano Ferreira, disse que os esforços que o Executivo está a desenvolver visam concretizar os projectos de ampliação e desenvolvimento do ensino superior em todas as regiões do país.
Salientou que a instituição está a trabalhar no sentido de preparar cursos para a nova universidade, que tenham impacto no desenvolvimento da região académica. Nesse sentido, a primeira perspectiva centra-se no curso de engenharia mecânica, especialidade que, futuramente, servirá de suporte ao grande desenvolvimento que a província está a conhecer.
O reitor da universidade, que abrange a região do Kwanza-Sul e Benguela, adiantou que o curso tem a ver com um conjunto de empresas e infra-estruturas de carácter fabril, apoio que se dá a todo o sector dos transportes, desde a parte naval à ferroviária.
Além disso, salientou a questão da engenharia mecânica virada para a produção de energia e a logística que todo esse processo envolve. Para o campus da Catumbela vai haver cursos complementares para conciliar aspectos da economia com a indústria e desta com o direito, para além de outros que possam atender a procura social, sem equivalência aos graus universitários, tais como educação de infãncia, assistência social, empreendedorismo e microcrédito, que se enquadram nesse contexto.
Quanto aos docentes que vão leccionar na universidade, Albano Ferreira disse que, neste momento, estão a ser encetados contactos com empresas locais, para que estas possam disponibilizar engenheiros formados em várias especialidades. Está-se ainda a contar com a formação de professores noutros estabelecimentos do Ensino Superior, além do apoio da cooperação.
O empreiteiro da obra, Fernando Baptista, garantiu que quarenta  por cento dos trabalhos iniciados, em 2010, já foram executados, nomeadamente, a estrutura de betão armado, alvenaria, o sistema de esgotos, faltando  somente concluir a parte eléctrica, revestimento, tectos e pavimento.

Tempo

Multimédia