Províncias

Estradas do Lépi precisam de intervenção urgente

Vitória Quintas

O mau estado das vias da comuna do Lépi, município do Longonjo, está a dificultar o escoamento de produtos agrícolas.

Vias intransitáveis e os pontões totalmente degradado o que impossibilita a chegada de meios de transporte sobretudo no tempo chuvoso
Fotografia: Jornal de Angola

O administrador comunal, Francisco Tchikete, disse ao Jornal de Angola que a grande preocupação é a ruína de alguns pontões e as vias que ligam os sectores de Bongo, Ndumbu, Calenga Njdolo, Sandombo, zonas consideradas de grande produção de alimentos.
“A produção existe, mas o grande problema é o escoamento de produtos para os mercados, pois temos muitas vias intransitáveis e os pontões totalmente degradados, o que impossibilita a chegada de meios de transporte, sobretudo no tempo da chuva”, disse Francisco Chikete.
Os habitantes da comuna, a 45 quilómetros da cidade do Huambo, têm como base de sustento a agricultura, produzindo essencialmente a batata, milho, feijão e hortícolas. A localidade de Ndumbu é a mais produtiva.
Para minimizar esta dificuldade, a administração comunal cedeu um espaço nos arredores da vila, denominado Mercado Rural, com mais de 30 bancadas, onde são comercializados os principais produtos do campo.
Laurinda Cassova tem uma lavra grande onde cultiva batata, repolho e cenoura e parte destes produtos é comercializada no Mercado Rural. O administrador disse que além dos solos serem favoráveis ao cultivo, o ano passado beneficiaram de algumas toneladas de fertilizantes com preços subvencionados pelo Estado e houve boa participação dos camponeses. As estradas secundárias e terciárias da comuna do Lépi estão degradadas. O ano passado, o Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) trabalhou no troço que liga a sede da comuna ao sector do Ndumbu.  Francisco Chikete referiu que existem perspectivas de reabilitar a estrada que liga os sectores de Bongo e Sandombo, no quadro do Programa de Investimentos Públicos (PIP) para facilitar a circulação de pessoas e bens.
A comuna do Lépi conta com uma estação dos Caminhos-de-Ferro de Benguela (CFB) e o comboio é a única via para a expedição dos produtos, tanto para a cidade do Huambo como para Benguela.
Mas para transportar os produtos dos campos para a vila é preciso reabilitar as vias de acesso. António Catone, mototaxista, disse que tem transportado os seus passageiros da vila para outras localidades, mas diz que o mau estado das estradas por vezes impede a circulação de pessoas e bens.

Malária em queda

O índice de malária na comuna do Lepi reduziu consideravelmente nos últimos tempos. De acordo com o administrador local, as diarreias agudas e as doenças respiratórias são as que mais afectam as pessoas que acorrem aos centros e postos de saúde.  
“Os serviços funcionam normalmente, temos um centro de saúde na sede da comuna, com um laboratório e uma ambulância, enquanto ao nível dos sectores cada um conta com um posto de saúde”, disse. O número de técnicos de saúde é insuficiente para responder às necessidades dos 15.557 habitantes. Francisco Tchikete referiu que o centro de saúde do Lépi recebia uma vez por semana um médico para as consultas, mas nos últimos tempos já não tem aparecido e as consultas têm sido feitas pelos enfermeiros.
Na área de educação, a comuna possui escolas primárias do primeiro ciclo em funcionamento nas localidades, e uma extensão da escola do segundo ciclo na localidade do Bongo, mas faltam professores para as escolas que funcionam nas aldeias. “Uma dos problemas com que nos deparamos é a falta de professores, pois os que aqui trabalham são poucos para dar resposta às exigências no processo de ensino. Há localidades distantes com crianças em idade escolar, por isso queremos colocar escolas mais próximas delas”, disse.
Água e luz No âmbito do Programa Água para Todos” estão previstos para este ano a construção de fontanários e alguns furos de água, na sede da comuna e na aldeia do Fendy no sector de Sandombo.
Francisco Tchikete, disse que uma equipa das Organizações Não Governamentais, Worl Vision e Adespov, prevêem a colocação de furos de água em todas as localidades da comuna.
O Lépi conta igualmente com uma fábrica de enchimento de água mineral, denominada Águas do Lépi. Em termos de energia, a comuna é abastecida por três geradores eléctricos que fornecem luz eléctrica diariamente, das 18h00 às 22h00 horas. Mas existe o problema da aquisição de combustíveis. A energia é apenas distribuída na sede da comuna, pois não existem condições para abastecer as outras localidades.

Violência doméstica

A fuga à paternidade e a agressão física entre os casais são as formas de violência doméstica que mais se registam no sector social da comuna do Lépi.
O administrador disse que os casos de agressão têm sido encaminhados para o comando comunal da Polícia Nacional.
A administração e as igrejas têm promovido actividades com vista a prevenir e sanar os casos de violência doméstica.
A comuna do Lépi tem uma extensão de 666 quilómetros quadrados, subdivididos em quatro sectores: Dumbo, Calenga, Njdolo e Sandombo.

Tempo

Multimédia