Províncias

Geógrafa sugere transformação de praias em pólos turísticos na província de Benguela

A geógrafa angolana Alice Costa alertou, na semana finda, na Baía de Santo António, nove quilómetros a Sul da cidade de Benguela, para a importância de se investir na requalificação das praias e torná-las potenciais pólos de atracção turística.

Praias da província vão ser requalificadas
Fotografia: Jornal de Angola

A geógrafa angolana Alice Costa alertou, na semana finda, na Baía de Santo António, nove quilómetros a Sul da cidade de Benguela, para a importância de se investir na requalificação das praias e torná-las potenciais pólos de atracção turística.
Licenciada pela Universidade Katyavala Bwila, a técnica fez essa proposta à margem de uma palestra sobre “Meio Ambiente: o caso das praias e reservas”, tendo afirmado que a província dispõe de praias urbanas com uso intensivo e vias de acesso em bom estado.
Entretanto, julga ser importante investir-se nesses locais para aproveitar as suas “excelentes condições” para banho e desporto náutico, que ajudam na promoção célere do turismo.
Afirmou que as praias não urbanas também registam intenso movimento de banhitas, razão por que reforça a ideia do investimento na melhoria do acesso a esses espaços, por forma a incentivar cada vez mais a afluência de turistas nacionais e estrangeiros que buscam pelos areais e águas límpidas.
Para si, por serem apropriadas ao banho e ao desporto náutico, as praias de Benguela podem dar um contributo substancial ao desenvolvimento da província, o que pressupõe melhores condições em termos de ambiente.
As mesmas, acrescentou, podem transformar-se numa espécie de “carta-convite” aos turistas que visitam o país.
Do seu ponto de vista, caso sejam bem aproveitadas, as praias de Benguela podem ser um vector importante para a promoção do turismo regional, principalmente por altura do verão, onde a adesão dos visitantes aos espaços balneares é maior.
Alice Costa sugeriu que esses investimentos devem passar pela instalação de infra-estruturas adequadas que propiciem a acomodação dos turistas, balneários públicos, sistemas de salvamento dos banhitas e melhoria dos acessos (no caso das praias distantes das cidades, como a Baía de Santo António).
Chamou a atenção das autoridades competentes para que reforcem o controlo e a fiscalização, a fim de desencorajar-se as construções de betão junto às praias, isto porque deveriam estar a uma distância de cem metros da faixa balnear.
Quanto ao actual estado das praias, classificou-as de razoável, porque verifica-se, com regularidade, a trabalhos de limpeza e manutenção, pelo que aconselhou aos banhistas a contribuírem evitando depositar resíduos sólidos nos areais ou nas águas.
Explicou que as construções anárquicas, os resíduos sólidos e as águas residuais que afluem às praias através de esgotos são elementos susceptíveis de provocar poluição ao ambiente, por isso deve existir melhor fiscalização para reverter-se essa tendência preocupante.
Benguela tem como principais atracções no sector de turismo as praias ao longo dos seus 200 quilómetros de costa, tais como a Praia Morena, de Santo António, do Pequeno Brasil (Benguela), Baía Azul, Caotinha, Equimina (Baía Farta), Restinga, Praia Bebé e Egipto Praia (Lobito).

Projecto de requalificação

O vice-governador da província de Benguela para o Sector de Organização e Serviços Técnicos, Eliseu Epalanga, afirmou na semana finda, na Baía de Santo António, que o executivo local pretende melhorar a imagem das praias, para que proporcionem condições excelentes aos turistas nacionais e estrangeiros.
O dirigente avançou esta informação aos jornalistas à margem de uma palestra sobre “Turismo e Meio Ambiente: o caso das praias e reservas”, inserida na Jornada Alusiva ao Dia Mundial do Turismo, assinalado ontem.
Segundo Eliseu Epalanga, o pensamento do governo local está virado para a requalificação a breve trecho das praias da costa local, para que os turistas que as procuram com frequência e intensidade encontrem um melhor ambiente de acomodação e para a prática do turismo.
Indicou a manutenção da limpeza como indispensável para preservar a imagem das praias, que constituem as principais atracções no sector turístico na província de Benguela, pois são adequadas para banho e desporto náutico.
“O nosso compromisso assenta no acompanhamento e na manutenção da higiene das praias, bem como na fiscalização em relação ao tipo de construções que vão surgindo junto a esses areais”, destacou.
Para si, torna-se importante que as edificações não alterem a configuração natural das praias da costa da província de Benguela, isto porque devem ser mais adequadas para contribuir para o fomento da actividade turística que se pretende cada vez melhor.

Tempo

Multimédia