Províncias

Implementado novo sistema de recolha de resíduos sólidos

Maximiano Filipe /Benguela

Vários contentores metálicos para a deposição do lixo estão a ser colocados em todos os pontos  chaves das cidades de Benguela, Lobito e Baía Farta, bem como em áreas periféricas, no âmbito de um novo projecto de melhoramento do saneamento básico, denominado”, Benguela Limpa”.

Ângulo da cidade de Benguela que reforça acções para melhorar o saneamento básico
Fotografia: Francisco Bernardo | Edições Novembro

De acordo com o responsável do Saneamento Básico da Administração Municipal de Benguela, Ricardo Lomeia, trata-se de uma acção do Governo da Província que visa combater a degradação do meio ambiente e garantir qualidade de vida à população da região.
O responsável disse ao Jornal de Angola que o processo de reposição dos contentores vai minimizar os elevados custos orçamentais que o Governo Provincial dispende, quando contrata empresas para a recolha e tratamento do lixo. “Em função do volume de lixo produzido no município de Benguela estão também a ser colocadas algumas barcas de cinco metros cúbicos em zonas muito movimentadas para absorção dos resíduos”, disse Ricardo Lomeia.

Consequências
O director do Gabinete Provincial da Saúde, Manuel Cabinda,  disse que o deficiente saneamento básico reflecte-se negativamente na qualidade de vida das populações, traduzindo-se em várias enfermidades e consequentemente muitas mortes.
      “A falta de infra-estruturas básicas e de serviços, ocupação anárquica de áreas urbanas e arredores, altas taxas de mortalidade infantil,  elevadas quantidades de lixo, falta de água potável  são, entre outros males,  provocados pela falta do saneamento básico”, disse Manuel Cabinda, especialista em Saúde Pública.
O responsável do sector da Saúde disse que, do ponto de vista estatístico, o quadro aponta que em 2017 a malária foi a principal causa de óbitos no país. “A nível da província de Benguela 375 mil pessoas estiveram afectadas pela malária, das quais 400 pacientes acabaram por morrer”.

Tempo

Multimédia