Províncias

Inspectores da Educação atentos a irregularidades

Maximiano Filipe | Benguela

O director provincial da Di­recção da Educação, Ciência e Tecnologia de Benguela dis­se ao Jornal de Angola que os inspectores do sector vão fiscalizar o processo de matrículas do ano lectivo que se avizinha para impedir que haja deliberadamente irregularidades por parte de funcionários das escolas.

“Os inspectores da Educação estarão atentos às irregularidades no processo de matrículas. Portanto, vão fazer uma fiscalização cerra­da às escolas, pelo que apelamos a todos os alunos e encarregados de educação a denunciar eventuais casos de su­bornos no acto de matrículas”, frisou.
Para o ano lectivo de 2018, Evaristo Mário estima o in­gresso na província de 900 mil alunos no ensino geral, realçando, contudo, que “o número de salas de aula ainda é insuficiente” para às necessidades.
“Apesar dos esforços feitos pelo Governo Provincial, fundamentalmente na criação de condições materiais para a abertura do ano lectivo, continuam a faltar escolas. O número de pessoas que pretende ingressar no sistema de ensino público continua a crescer”, disse.
A província possui 1.278 escolas, o que corresponde, em média, a dez mil salas de aula. “Neste momento, os técnicos da Educação estão a concluir os trabalhos de campo para apurar as condições existentes para o arranque das aulas”, revelou.
Outras necessidades re­caem sobre o corpo docente, pois a província dispõe apenas de 3.600 professores, número insuficiente face às necessidades do sector. “Estamos a tentar colmatar esta lacuna paulatinamente com a realização de concursos públicos”, disse. A abertura do ano lectivo tem lugar no próximo dia 31 do corrente e as aulas começam a 1 de Fevereiro.
Evaristo Mário revelou que o seu pelouro recebeu orientações para manter as matrículas gratuitas, “uma questão que deve ser observada rigorosamente” pelos gestores de escolas.

Tempo

Multimédia