Províncias

Jovens formados em artes e ofícios

Fula Martins | Benguela

Os centros do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), em Benguela vão, dentro dos próximos dois anos, colocar no mercado de trabalho  dez mil técnicos, anunciou, na quarta-feira, em Benguela, o director provincial do instituto.

Nos próximos dois anos os centros aumentam a capacidade formativa com a criação de vários cursos técnicos e profissionais
Fotografia: José Bule

António Paulo salientou que esforços, no âmbito do Programa de Formação de Quadros, estão a ser envidados para que esta meta seja alcançada só a nível dos centros tutelados pelos Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional.
Para alcançar o objectivo de lançar no mercado de trabalho dez mil técnicos nos próximos dois anos, perspectiva-se o aumento da capacidade formativa a nível da província de Benguela, com a criação dos cursos de montador de tectos falsos, operador de caixa, montador de antenas parabólicas, empregado de bar, fotógrafo e ladrilhador, explicou o director provincial do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional.
Os centros de formação profissional em Benguela formaram  3.152 jovens, desde 2013,  informou António Paulo, que acrescentou que  neste momento 1.852 jovens recebem aulas de formação.
No âmbito do “Programa Avanço”, 72 pessoas terminaram no último fim-de-semana   um curso pós-laboral nas especialidades de montagem de antena parabólica, cabeleireiro, barbearia e reparação de geradores, disse António Paulo. Questionado pelo Jornal de Angola sobre a qualidade da formação técnico-profissional dos alunos, o responsável explicou que o corpo docente, depois de recrutado, é submetido a uma formação pedagógica com duração de 45 dias no Centro Nacional de Formação de Formadores.
A rede de formação é constituída por 15 unidades formativas, dois pavilhões de formação de artes e ofícios nos municípios de Benguela e Lobito ,e igual número de centros móveis nos municípios do Lobito e Cubal. A  província de Benguela dispõe ainda de dois centros fixos de formação profissional no Lobito, um pavilhão de artes e ofícios no município da Catumbela e outro no Balombo, uma unidade de formação móvel na Ganda e um centro fixo em Caimbambo e Chongoroi.

Formação no CLESE

 O Centro Local de Empreendedorismo e Serviço de Emprego (CLESE) de Benguela formou 231 empreendedores desde 2011, revelou, ontem, em Benguela, o seu director do centro.
Um parte destes empreendedores já beneficiou de  financiamento do Banco Sol e estão na fase de executar os seus projectos, informou Domingos Pereira Calete, que acrescentou estarem a decorrer, neste momento, três acções formativas em simultâneo com 112 formandos inscritos.
O centro está bem servido de professores, pois existe um protocolo com a Universidade Katyavala Buila para a cedência de professores da Faculdade de Economia, concluiu o director do Centro Local de Empreendedorismo e Serviço de Emprego (CLESE) de Benguela.

Tempo

Multimédia