Províncias

Lixo está a ser retirado dos mangais

Jesus Silva | Lobito

O Governo Provincial de Benguela vai levar a cabo um programa que visa a retirada de lixo e entulho depositado nos mangais do Lobito.

O administrador municipal, Amaro Segunda Ricardo, disse que o programa previsto pelo governo vai ainda regularizar as margens e complementar a actividade com uma campanha de educação ambiental junto das populações dos bairros Cassai, Caponte e “28”.
A campanha de limpeza dos mangais, que está a ser promovida pela Administração Municipal do Lobito, está integrada no âmbito dos 100 anos da cidade.
Amaro Ricardo referiu que após a limpeza, que termina em finais deste mês, vão ser plantadas árvores nas margens dos mangais, colocados sinais de proibição de pesca e placas com a inscrição de proibição de depositar lixo.
O administrador disse que vão ser retiradas todas as oficinas de mecânica e de recauchutagem junto dos mangais, uma vez que despejam enormes quantidades de óleo e pneus, o que contribui para a deterioração do ecossistema.
Amaro Ricardo disse que a limpeza dos mangais permite a presença de espécies como o flamingo cor-de-rosa, pelicanos e garças. “Nos últimos tempos chegaram aos mangais da cidade do Lobito flamingos chilenos, o que torna a fauna mais rica”, disse.
O administrador anunciou a possibilidade de formar jovens desempregados, no sentido de instruí-los e capacitá-los com conhecimentos sobre as espécies que existem nos mangais, para que sirvam de guias turísticos. Também vão ser criados postos de observação onde as pessoas podem ver os flamingos e outras espécies.
 O director logístico da Sonamet, José Gonçalves, afirmou que a empresa que dirige está pronta a apoiar actividades que visam melhorar a imagem da cidade que nos últimos tempos tem sido visitada por centenas de turistas nacionais e estrangeiros, fruto das suas
Paulo Ferreira, director de operações da Cleoport, empresa que faz os trabalhos de limpeza e regularização das margens dos mangais, informou que vai levar a cabo também acções de sensibilização nas escolas e nas zonas comerciais.

Tempo

Multimédia