Províncias

Lobito lança novos técnicos para o mercado de trabalho

Jesus Silva | Lobito

O Instituto Médio Politécnico do Lobito (IMPL) lançou sexta-feira mais 246 técnicos do terceiro contingente para o mercado de trabalho na província de Benguela e não só, nas especialidades de metalomecânica (62), petroquímica (59), manutenção industrial (62) e ambiente e controlo de qualidade (63).

O Instituto Médio Politécnico do Lobito (IMPL) lançou sexta-feira mais 246 técnicos do terceiro contingente para o mercado de trabalho na província de Benguela e não só, nas especialidades de metalomecânica (62), petroquímica (59), manutenção industrial (62) e ambiente e controlo de qualidade (63).
O director do IMPL, Mário Kalopa, afirmou que durante os cinco anos lectivos de funcionamento daquele estabelecimento de ensino, fruto da dedicação e empenho de toda a comunidade académica, foi possível formar 43 diplomados no primeiro contingente, em 2009, e 348 no segundo, em 2010.
Mário Kalopa disse que, apesar de os cursos serem do ramo industrial, já se registaram 95 diplomadas do sexo feminino, representando 39 por cento dos graduados, o que demonstra claramente o interesse das raparigas em concorrer às vagas nesta área em pé de igualdade com os rapazes.     
Mário Kalopa referiu que os finalistas envidaram esforços para prosseguirem nos cursos até ao fim, dignificando o investimento do governo. “Passaram por vários sacrifícios, mas também trouxeram várias alegrias ao convívio de todo o colectivo, tendo em conta a sua dedicação, que contribuiu para o enaltecimento do IMPL.”
“Honrem sempre a vossa profissão e não deixem de conferir periodicamente os vossos conhecimentos. É gratificante deixar ao longo da vida uma obra feita de que se orgulhem. A formação contínua deve ser o vosso apanágio, sejam unidos como sempre foram, organizem momentos de reencontro e fundem uma associação dos alunos do Instituto Médio Politécnico do Lobito”, apelou Mário Kalopa.  
Adelino Cessa, em representação do director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia, disse que as competências adquiridas no decurso da formação devem ser aplicadas com zelo e dedicação, pois o objectivo principal dos finalistas é o de conseguirem um emprego que os dignifique. 
O chefe do Departamento de Acção Social da Direcção Provincial da Educação exortou as empresas  que proporcionaram os estágios práticos aos finalistas a absorverem a maior parte dos quadros.

Tempo

Multimédia