Províncias

Lotes urbanizados para os vulneráveis

Jesus Silva| Lobito

O governador da província de Benguela, Isaac Maria dos Anjos, fez a entrega simbólica, terça-feira, de 1.700 lotes para a construção de residências unifamiliares na zona do M’bango-M´bango, na cidade do Lobito.

Governador da província de Benguela Isaac dos Anjos
Fotografia: Jaimagem

A entrega dos lotes urbanizados visa evitar a invasão anárquica das reservas fundiárias do Estado e o surgimento de bairros desorganizados, sem infra-estruturas básicas.
O administrador municipal do Lobito, Amaro Segunda Ricardo, disse que esta foi uma experiência nova, com lotes e ruas marcadas e numeradas, áreas sociais, comerciais, escolas, centro de saúde, mercado, cemitério e á­reas reservadas ao desporto e lazer. O novo bairro tem três vias de acesso, entre outros requisitos que proporcionam uma convivência salutar e excelente qualidade de vida aos moradores.

Nova centralidade

O administrador anunciou que a população aguarda com ansiedade o projecto da nova centralidade do Lobito, que é erguida entre a urbe e a povoação do Culango, onde se prevê albergar cerca de 400 mil pessoas, indústrias e fábricas, com ruas de 60 metros (avenidas longitudinais) e outras com 28 metros de largura, que vão resolver parte dos problemas habitacionais actuais, assim como a gritante falta de emprego na região.
A construção de um reservatório de água para aquele aldeamento também está prevista, assim como a colocação de um tanque que vai distribuir água por gravidade. Maria Benvinda, uma das cidadãs beneficiárias, congratulou-se com o gesto do Governo na ajuda às pessoas mais carentes, uma vez que a falta de residências tem sido, nos últimos tempos, uma das causas de desavenças entre famílias e separação de casais.
Para Mário Alexandre, o Executivo, quando promete, às vezes demora, mas nunca falha, honra sempre os compromissos a que se propõe. “Sabia de antemão que mais tarde ou mais cedo ia concretizar o meu sonho, o de construir uma moradia para a família", acrescentou.
As autoridades locais, refira-se, desenvolvem várias acções de impacto social para melhorar o nível de vida da população, com destaque para a construção e reabilitação de hospitais, centros médicos e escolas.

Tempo

Multimédia