Províncias

Mais acções de urbanização estão a ser implementadas

Várias acções voltadas à urbanização da província de Benguela estão a ser implementadas, desde 2009, para melhorar as condições de habitação na região, disse o director provincial do Ordenamento do Território, Habitação, Urbanismo e Ambiente, Zacarias Kamwenho.

Várias acções voltadas à urbanização da província de Benguela estão a ser implementadas, desde 2009, para melhorar as condições de habitação na região, disse o director provincial do Ordenamento do Território, Habitação, Urbanismo e Ambiente, Zacarias Kamwenho.
Das acções em curso, o responsável destacou a construção da aldeia rural na povoação da Catamba, município da Ganda, um projecto que consiste na construção 46 residências de tipo T2.
O director destacou ainda a preparação de cerca de 100 hectares de terras, indicadas para as populações, a construção das estruturas do centro de apoia à produção agrícola nas localidades, a construção de 20 residências do tipo T3 para quadros das administrações municipais.
O responsável informou igualmente que o governo está a construir uma residência para cada regedor, em todos os municípios, com conclusão prevista para Agosto, com vista a dignificar a sua função.
Até Agosto, reforçou o director, o seu pelouro vai construir ainda residências do tipo T3 para quadros, nas sedes comunais.
Zacarias Kamwenho acrescentou que o governo de Benguela está a elaborar os planos directores municipais dos dez municípios da província, acção que vai até Setembro e que está neste momento na fase de recolha de informação e consultas às autoridades locais, para se conformar os planos de gestão territorial à legislação angolana. Para as sedes comunais, Zacarias Kamwenho deu a conhecer que decorrem acções de impacto, que consistem na reparação das ruas e terraplenagem, a construção de lancis e passeios.
“É uma acção que vai dar vida a essas localidades e permitir de alguma forma que as populações se sintam mais confortáveis”, disse.

Aldeia piscatória

Para o município da Baía Farta, o responsável anunciou a construção de uma aldeia piscatória na comuna da Equimina, cuja primeira parte consistiu na infra-estruturação de 4,5 hectares e a segunda na construção de 66 casas do tipo T3.
O director referiu que a infra-estruturação de 25 hectares nas sedes municipais e as restantes iniciativas de cooperativas decorrem a bom ritmo.
“Os primeiros 200 fogos estão programados para Agosto deste ano e os 100 restantes devem ser construídos no próximo ano”, frisou.
Zacarias Kamwenho disse também que a população beneficiária é a camada mais desfavorecida e as pessoas que ocupam indevidamente as zonas de risco ou aráveis. “A atribuição é feita com base na proposta que cada administração apresentar à comissão provincial”.

Tempo

Multimédia