Províncias

Parteiras tradicionais em hospitais reforçam assistência às populações

Maximiano Filipe | Benguela

A associação de parteiras tradicionais no município da Baía Farta, na província de Benguela, vai reforçar a parceria com as unidades sanitárias públicas locais, disse a sua responsável, durante a cerimónia de tomada de posse.

Parteiras tradicionais e de unidades clínicas estatais estão a trabalhar juntas para evitar que parturientes morram por falta de uma boa assistência
Fotografia: Santos Pedro

Segundo Adriana Feliciano, o objectivo da parceria é melhorar a assistência às gestantes. A associação, acrescentou, vai realizar acções de capacitação sobre os cuidados a prestar à mulher grávida, antes, durante e após o parto.
“Antes de agrupar as parteiras tradicionais em associação, muitas trabalhavam à sua maneira, sem condições adequadas e condignas e sem terem o mínimo de noções básicas sobre os cuidados a ter para com a mulher gestante, cuidados esses que ao não serem observados acarretam riscos, como a morte dos recém-nascidos e das próprias gestantes”, sublinhou.
A associação vai fazer com que as parteiras tradicionais, de forma organizada, passem a ter a responsabilidade de orientar, com antecedência, a mulher em estado de gestação, no sentido de efectuar consultas pré-natais em unidades de saúde públicas, onde as condições técnicas em matéria de prestação de cuidados sanitários estão garantidas.
A responsável da associação provincial das parteiras tradicionais, Isabel Dombuela, elogiou a iniciativa, pelo facto de permitir o reforço das relações profissionais entre a medicina moderna e a tradicional, bem como a qualidade do serviço prestado.
Isabel Dombuela acrescentou que o trabalho desenvolvido pelas parteiras tradicionais junto das comunidades estará mais organizado, tendo como base os marcos estabelecidos no quadro da deontologia profissional. A associação provincial das parteiras tradicionais tem 60 parteiras.
A cerimónia de tomada de posse da nova direcção da associação contou com a presença de autoridades municipais, religiosas, tradicionais, representantes do Ministério da Família e Promoção da Mulher e das parteiras tradicionais que exercem essa actividade em todas as aldeias, povoações e comunas do município da Baía Farta.

Tempo

Multimédia