Províncias

Projectos sociais transformam Benguela Velha

Casimiro José | Porto Amboim

A cidade de Porto Amboim, antiga Benguela Velha, assinalou na sexta-feira, 15 de Outubro, 423 anos da sua elevação à categoria de cidade, sob o signo do progresso e optimismo dos seus habitantes.

Um ângulo do município que está a se desenvolver económica e socialmente
Fotografia: Casimiro José | Porto Amboim

A cidade de Porto Amboim, antiga Benguela Velha, assinalou na sexta-feira, 15 de Outubro, 423 anos da sua elevação à categoria de cidade, sob o signo do progresso e optimismo dos seus habitantes.
A privilegiada localização geográfica, as potencialidades piscatórias e agrícolas fazem de Porto Amboim uma cidade promissora. À semelhança de outros municípios da província do Kwanza-Sul, o desenvolvimento da cidade de Porto Amboim esteve condicionado pelo conflito armado.
O administrador municipal de Porto Amboim, Francisco Prazeres Kapassola, afirma que com o alcance da paz definitiva em Angola, o Executivo desenvolveu programas e projectos para que a cidade de Porto Amboim resgatasse o seu potencial agro-pecuário e industrial, no âmbito regional e nacional.
Hoje são visíveis os níveis de desenvolvimento, nos mais variados aspectos, com destaque para a actividade piscatória, agro-pecuária, indústria transformadora e nos sectores sociais da educação e saúde. O maior orgulho do executivo do município resulta do dinamismo verificado no sector privadobem visível nas sociedades “BEBA”, “Curval” e “Giasop”.
A Peskwanza, apesar do momento menos bom que está a viver, é um gigante com perspectivas promissoras na captura, congelação e transformação de pescado. Segundo os responsáveis ligados à empresa, são esperados investimentos para dinamizar o seu funcionamento.
A implantação na região de empresas ligadas ao sector petrolífero, a Paenal e Heerema Group e a construção de uma subestação de energia pela Empresa Nacional de Electricidade (ENE) são apostas que transformaram a cidade de Porto Amboim no mais importante pólo de desenvolvimento industrial da província do Kwanza-Sul.
“Os ganhos estão à vista de todos, a começar pela garantia de empregos”, disse o administrador municipal. O desenvolvimento da cidade de Porto Amboim também passa pela rede hoteleira, que está em franco crescimento. Para além do potencial em recursos naturais, os habitantes de Porto Amboim são exímios trabalhadores. Todos os dias operários, camponeses e comerciantes empenham-se naquilo a que são chamados a executar.
 
Projectos sociais

O administrador municipal de Porto Amboim, Francisco Prazeres Kapassola, informou que o seu executivo tem um plano de desenvolvimento municipal para responder às reais necessidades das populações e imprimir nova dinâmica à vida social e económica do município.
A crise financeira teve repercussões negativas nos planos. O atraso verificado na revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE) redundou na paralisação de muitos projectos de combate à fome e pobreza, que vão ser executados no âmbito do programa económico do próximo ano. Francisco Prazeres Kapassola anunciou que um dos grandes desafios do seu executivo é a construção do novo porto comercial e a ampliação do hospital municipal
 
Saúde e educação
 
Os sectores da saúde e da educação do município de Porto Amboim vivem com dificuldades. A rede sanitária conta com um hospital municipal com 85 camas para internamentos, três centros médicos e 13 postos de saúde. O corpo clínico é constituído por 19 médicos, 80 enfermeiros e nove técnicos.
O sector da educação tem uma rede escolar com 201 salas de aulas, estão matriculados este ano lectivo 24.033 alunos e trabalham no município 604 professores.
Apesar dos indicadores de crescimento registados, o município de Porto Amboim apresenta, ainda, carências em estruturas escolares e de professores para fazer face à procura. Por falta de escolas e de professores estão fora do sistema de ensino 6.210 crianças dos seis aos 14 anos.
 
Agricultura e pecuária

O sector agro-pecuário é o que mais preocupa as autoridades do município de Porto Amboim. Há cinco anos que existe estiagem e praticamente não chove.
O administrador municipal de Porto Amboim revelou ao Jornal de Angola que a situação atingiu proporções alarmantes e morre gado devido à falta de água e de pastos. Francisco Kapassola disse que os criadores estão a transferir gado para as margens do rio Longa, mas os custos dessa operação são elevados.
O administrador Francisco Prazeres Kapassola lançou um apelo a todos naturais e amigos de Porto Amboim que se encontram noutros cantos do país e na diáspora para regressarem à terra que os viu nascer para se juntarem aos esforços de reconstrução do município.
“Por ocasião dos 423 anos da cidade de Porto Amboim, aproveito para lançar um apelo para que todos os filhos da terra, se juntem na reconstrução da nossa bela cidade e do nosso município”, disse.
 
Benguela Velha

A cidade de Porto Amboim, então Benguela Velha, foi fundada a 15 de Outubro de 1587, por Paulo Dias de Novais, através de seu sobrinho António Lopes Peixoto. O povoamento foi feito com habitantes do reino do Ndongo, no Norte de Angola.
Do ponto de vista histórico, a cidade de Porto Amboim foi também ponto de tráfico de escravos. Em 1867, por iniciativa de quatro colonos portugueses, começou a cultura intensiva do algodão.
O município de Porto Amboim tem uma superfície de 3.651 quilómetros quadrados, 118.818 habitantes, que vive maioritariamente da pesca, criação de gado e da agricultura. Administrativamente está dividido por duas comunas, a sede e a de Capolo.

Tempo

Multimédia