Províncias

Seleccionados maquinistas para as novas locomotivas

Jesus Silva | Lobito

O Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) já seleccionou os 50 maquinistas que vão responsabilizar-se pela condução das novas locomotivas, recentemente adquiridas pelo Executivo angolano à General Electric.

Benguela recebe máquinas para o Caminho-de-ferro
Fotografia: Francisco Lopes | Edições Novembro

Assim como escolheu 20 jovens que brevemente se deslocarão para a escola de formação da empresa na cidade do Huambo, para adquirirem conhecimentos teóricos e práticos, informou ontem, em Benguela, o presidente do Conselho de Administração da empresa.
José Carlos Gomes adiantou que os maquinistas apurados são quadros que conduziam as antigas máquinas diesel C-20, com longos anos de linha, e que para assegurar a frota houve necessidade do reforço de mais 20. “Agora, vamos utilizar máquinas C-30, o que significa dizer que o grau de responsabilidade aumenta. Vamos admitir mais jovens, que serão preparados na escola profissional do CFB, que será inaugurada brevemente”, salientou.
Carlos Gomes disse que as 20 novas locomotivas têm a missão específica de transportar  minério (carga pesada).  “Algumas ficarão no Lobito, outras no Huambo e as restantes no Bié e Moxico, para retomarmos a prática do passado, em que os maquinistas, depois de alcançarem as horas diárias de trabalho programadas, entregam as máquinas aos que estiverem na província seguinte e assim poderem descansar”, assegurou.
As novas locomotivas, disse, vão contribuir para o aumento de frequências entre o Lobito e o Luau, que vai passar de uma para duas semanais. “Empresários congoleses estão em contacto connosco para acertarmos como será feita a transportação do minério da RDC para o Porto do Lobito, de onde seguirão para o exterior, visto que neste momento estão a transportá-lo em camiões para Tepa, num trajecto de 4 mil quilómetros e horizonte temporal de 4 semanas”.
Jesus Silva | Lobito

Tempo

Multimédia