Províncias

Bié: INAD pretende limpar reservas fundiárias

João Constantino

O Instituto Nacional de Desminagem (INAD) na província do Bié pretende, ao longo deste ano, dedicar-se à desminagem das reservas fundiárias de Caluapanda, localidade que dista a 10 quilómetros a Sul da cidade do Cuito, província do Bié, e áreas adjacentes à conduta de captação de água do Rio Cuquema, na Região Centro do país.

Desminagem tem permitido a limpeza das áreas destinadas à promoção da agricultura
Fotografia: João Constantino| Edições Novembro


A informação foi divulgada à Angop, pelo director provincial do INAD, José Chalissala, que informou que a instituição que dirige removeu desde finais de 2019 até a presente data, 382 engenhos explosivos diversos não detonados, tendo os mesmos sido destruídos no município do Cunhinga, 30 quilómetros a norte da cidade do Cuito.
José Chalissala disse que da lista de engenhos removidos constam 16 minas anti-tanque e pessoal, 209 obuses de diferentes milímetros e oito espoletas diversas.
Constam ainda da lista 23 granadas de mão, 54 munições de ZU-23, 12 munições de AGS-17, e 293 quiilogramas de munições de pequenos calibres, recolhidos nos municípios do interior da província.
José Chalissala assegurou que o INAD vai reforçar as acções de sensibilização junto das populações sobre o perigo das minas, apelando aos cidadãos para continuarem a denunciar, de forma a se prevenir acidentes provocados pelo manuseamento de engenhos explosivos não detonados.
O INAD conta com a parceria da Brigada da 4ª Divisão de Infantaria das Forças Armadas Angolanas (FAA), Polícia Nacional e da 4ª Brigada de Desminagem da Casa Militar da Segurança do Presidente da República.
Em 2019, três pessoas morreram e 23 ficaram feridas na sequência de 10 acidentes com minas e outros engenhos explosivos não detonados, na Região Centro do país.
Durante o ano passado, o INAD na província do Bié desminou 2.933 metros quadrados de terreno de forma mecânica, tendo em vista a livre circulação de pessoas e o alargamento das áreas de cultivo, um aumento de mil metros quadrados em relação ao ano de 2018.

Tempo

Multimédia