Províncias

Acidentes causam vítimas

Mário de Carvalho |Cuito

Uma pessoa morreu e 17 ficaram feridas em consequência de 15 acidentes de viação ocorridos na província do Bié, entre os dias 6 e 13 do corrente mês.

Acidentes rodoviários continuam a matar
Fotografia: Edson Fabrízio| Bié

Os acidentes, que causaram danos materiais calculados em um milhão e cento e trinta mil kwanzas, consistiram em colisões entre motociclos, embates de veículos automóveis contra motociclos, atropelamentos e capotamento.
O município do Cuito, com três acidentes, teve o maior número de casos, seguindo-se Andulo e Cunhinga, ambos com três, Chinguar com três e Nharea e Camacupa, com um.
De acordo com a Polícia de Trânsito, são principais causas dos acidentes o excesso de velocidade, o mau estado técnico dos veículos e de algumas estradas, a imprudência, o desrespeito pelos sinais luminosos, a não cedência de prioridade de passagem e a condução sob o efeito de álcool.
Os órgãos reguladores e fiscalizadores do trânsito procederam a 54 autuações por falta de capacete de protecção e de matrícula, e desobediência às regras gerais do trânsito e falta de seguro automóvel de responsabilidade civil e de licença de aluguer. Segundo a mesma fonte, foram apreendidas sete viaturas, 19 motociclos, 17 cartas de condução e seis livretes.
No período em análise, 53 indivíduos foram detidos, na sequência de 70 crimes de natureza diversa, entre os quais funcionários públicos, camponeses, operários e desocupados.   A Polícia Nacional recuperou oito motas, cinco garrafas de gás butano, 40 carris de caminho-de-ferro, electrodomésticos e diversos materiais de construção civil.
Foram recolhidas 26 munições de ZU-23 e um projéctil de morteiro de 82 milímetros, apreendidos nove quilogramas de liamba e destruídas três alambiques de bebidas alcoólicas. 
De acordo com o superintendente-chefe António Hossi, chefe do gabinete de Comunicação e Imagem do Comando provincial da Polícia Nacional, são principais causas dos crimes o uso excessivo de bebidas alcoólicas e outras drogas, divergências nos lares, ganância pelo lucro fácil, desemprego, falta de iluminação pública e inobservância das regras de trânsito. O oficial assegurou que as forças da ordem e tranquilidade pública continuam, através da intensificação das patrulhas e o policiamento de proximidade, a desenvolver acções para a redução da criminalidade.

Tempo

Multimédia