Províncias

Água potável chega ao Andulo em Dezembro

José Chaves | Andulo

A vila do Andulo, Bié, tem a partir de Dezembro água potável após concluídos os trabalhos de reabilitação do sistema captação, vedação e montagem do novo sistema de tratamento, disse ontem o chefe da repartição municipal do sector.

A vila do Andulo, Bié, tem a partir de Dezembro água potável após concluídos os trabalhos de reabilitação do sistema captação, vedação e montagem do novo sistema de tratamento, disse ontem o chefe da repartição municipal do sector.
Fernando Ngombe afirmou que as obras estão avaliadas em 200 milhões de kwanzas e que apenas faltam concluir os trabalhos na rede de distribuição.
“Estamos empenhado no trabalho da reposição do precioso líquido que muito as populações necessitam”. Acredito que até Dezembro  vão estar concluídos “, disse.
O sistema, afirmou Fernando Ngom­be, permite 175 ligações domiciliárias, abastecer nove chafarizes e vão beneficiar também os bairros periféricos com maiores problemas de água.
A nova rede, de 11 quilómetros, tem capacidade para bombear 50 metros cúbicos por hora. O resposável acredita que com o trabalho que está a ser feito, o problema da  fica resolvido.
A tubagem na vila, declarou o responsável, já tem aquela extensão, pelo que falta agora fazer as ligações secundárias e instalar os contadores nos domicílios.
/>A vila do Andulo, Bié, tem a partir de Dezembro água potável após concluídos os trabalhos de reabilitação do sistema captação, vedação e montagem do novo sistema de tratamento, disse ontem o chefe da repartição municipal do sector.
Fernando Ngombe afirmou que as obras estão avaliadas em 200 milhões de kwanzas e que apenas faltam concluir os trabalhos na rede de distribuição.
“Estamos empenhado no trabalho da reposição do precioso líquido que muito as populações necessitam”. Acredito que até Dezembro  vão estar concluídos “, disse.
O sistema, afirmou Fernando Ngom­be, permite 175 ligações domiciliárias, abastecer nove chafarizes e vão beneficiar também os bairros periféricos com maiores problemas de água.
A nova rede, de 11 quilómetros, tem capacidade para bombear 50 metros cúbicos por hora. O resposável acredita que com o trabalho que está a ser feito, o problema da  fica resolvido.
A tubagem na vila, declarou o responsável, já tem aquela extensão, pelo que falta agora fazer as ligações secundárias e instalar os contadores nos domicílios.

Tempo

Multimédia