Províncias

Anciãos vulneráveis são apoiados

Delfina Vitorino | Cuito

A Direcção Provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social (MINARS) está a apoiar 46 idosos em situação de extrema vulnerabilidade e 42 pessoas portadoras de deficiência, causada pela lepra. 

Idosos da província do Bié contam no próximo ano com mais um centro de acolhimento
Fotografia: André Brandão

A Direcção Provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social (MINARS) está a apoiar 46 idosos em situação de extrema vulnerabilidade e 42 pessoas portadoras de deficiência, causada pela lepra.  A directora provincial, Angélica Benvinda Gonçalves, disse ao Jornal de Angola, que as pessoas beneficiam de assistência médica e medicamentosa, comida, vestuário e apoio moral.
Angélica Benvinda Gonçalves informou que os idosos e as pessoas portadores de deficiência que são apoiadas pela Direcção Provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social foram vítimas da marginalização, exclusão e acusações de feitiçaria.  “Acolher pessoas desfavorecidas e criar melhores condições sociais para elas é um dos principais objectivos do Governo provincial”, disse Angélica Benvinda Gonçalves, acrescentando que alguns idosos se dedicam à agricultura, artesanato, alfaiataria, sapataria e olaria, para aperfeiçoarem as suas habilidades.
Na cidade do Cuito, ainda de acordo com a directora provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social, estão disponíveis 12 casas gémeas para albergar idosos em situação de vulnerabilidade e l6 para acolher leprosos e seus familiares.
Angélica Benvinda Gonçalves disse que a Direcção Provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social tem em carteira um projecto para a construção de creches para albergar crianças desamparadas.
A Direcção Provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social apoia igualmente os centros religiosos da Igreja Evangélica Congregacional, Católica e dos Irmãos em Angola, que encontram algumas dificuldades para o seu funcionamento.
A província do Bié conta, a partir do próximo ano, com um novo lar de acolhimento, denominado “Elavoco Liomuenyo”, que tem capacidade para albergar 16.880 idosos.
O lar Elavoco Liomuenyo, que na língua Umbundo quer dizer “Esperança de Vida”, está a ser construído ao lado do actual lar do Cangalo.
A directora Provincial do Bié da Assistência e Reinserção Social disse que o novo lar tem uma nova metodologia de trabalho, contando com funcionários especializados para o seu atendimento.
“Piscina, biblioteca, zona verde, local para lazer, balneários, quartos com suites, cozinhas, lavandaria e outros serviços estão à disposição dos idosos da região”, disse Angélica Benvinda Gonçalves.

Tempo

Multimédia