Províncias

Aumentam os casos de bilharziose

Matias da Costa | Cuito

Pelo menos 73 casos avançados de bilharziose, doença vulgarmente chamada de “urina de sangue”, foram registados pelas autoridades sanitárias do Bié, durante o mês de Janeiro, informou ontem o supervisor do programa de luta contra a enfermidade.

População da região continua a ser aconselhada a procurar as unidades sanitárias logo após os primeiros sintomas da doença
Fotografia: Jornal de Angola

Pelo menos 73 casos avançados de bilharziose, doença vulgarmente chamada de “urina de sangue”, foram registados pelas autoridades sanitárias do Bié, durante o mês de Janeiro, informou ontem o supervisor do programa de luta contra a enfermidade.
Silvano Catumbela salientou que os casos notificados nos municípios do Cuito, Nharea e Catabola são preocupantes, pois as estatísticas referentes apenas a um mês apontam para a proliferação da doença.
Sem adiantar as estatísticas de períodos anteriores, Silvano Catumbela explicou que as avarias dos sistemas de distribuição de água leva os habitantes das referidas localidades a utilizarem os rios para consumo e higiene.
Para fazer face à situação, o supervisor disse que os técnicos de saúde desenvolvem a nível das comunas e aldeias várias palestras sobre as medidas de prevenção da doença, adiantando que o período antes das 9h00 e posterior às 16 horas apresenta menos riscos de contaminação através de larvas ou parasitas.
 O supervisor do Programa de Luta contra a Bilharziose lamentou a escassez do medicamento praziquantel de 600 mg nas farmácias dos hospitais e centros médicos, o que limita o combate à doença e os esforços dos profissionais da saúde.
Silvano Catumbela adiantou que as repartições de Saúde e as administrações municipais foram alertadas sobre os casos da doença, para que adquirissem o fármaco com urgência. No Bié, acrescentou o supervisor, os casos mais frequentes de bilharziose são a hematobe e a hemassomi, que atingem crianças e adolescentes dos sete aos 17 anos.

Tempo

Multimédia