Províncias

Bié tem programa para nutrição das crianças

Um projecto de nutrição, denominado “Programa Conjunto, Crianças, Segurança Alimentar e Nutrição em Angola”, foi lançado na sexta-feira, na localidade de Catenga, município de Camacupa, província do Bié, pelo Ministério da Saúde, no âmbito da política do serviço público de saúde.

Governo, com o apoio dos seus parceiros, aposta em dar à criança tudo o que ela merece
Fotografia: João Gomes

Um projecto de nutrição, denominado “Programa Conjunto, Crianças, Segurança Alimentar e Nutrição em Angola”, foi lançado na sexta-feira, na localidade de Catenga, município de Camacupa, província do Bié, pelo Ministério da Saúde, no âmbito da política do serviço público de saúde.
O programa, com a duração de quatro anos, será financiado pelas Agências das Nações Unidas, num valor de quatro milhões de dólares, devendo ser executado, no quadro dos objectivos de Desenvolvimento do Milénio, numa primeira fase, em três províncias do país - Bié, Moxico e Cunene – regiões onde os casos de má nutrição apresentam maior incidência.
 Para a execução com êxito do referido programa, o UNICEF vai dar um apoio de 1.937.855 dólares, a FAO 803.784 dólares, a IOM 579.451 dólares, a OMS 441.910 dólares e  o PNUD 237 mil, perfazendo quatro milhões de dólares.
 A vice-ministra da Saúde, Evelize Frestas, disse, em representação do titular da pasta, José Ván-Dúnem, ser importante a implementação e execução do referido programa, que vai contribuir significativamente para a melhoria de vida das crianças. A escolha da província do Bié para o lançamento deste projecto resulta do trabalho de diagnóstico realizado pelos nutricionistas, através do qual constataram que nesta região ainda se verificam casos acentuados de má nutrição, explicou a vice-ministra.
Evelize Frestas sublinhou que a implementação e execução do referido programa consta das metas preconizadas pelo Executivo, que consiste na redução da mortalidade infantil, devido à má nutrição. Disse ainda que a instituição que representa vai apoiar a população, para passar a consumir produtos cultivados localmente, de forma a garantir uma boa nutrição para as crianças e não só.
Por outro lado, o programa vai oferecer assistência específica para o fortalecimento da segurança alimentar dos agregados familiares, nomeadamente a criação de escolas de campo para formar os camponeses, ensinando-lhes as técnicas agrícolas convencionais, de forma a diversificar a produção. Vai igualmente promover a utilização de produtos locais na merenda escolar e a educação nutricional, com ênfase na transformação de produtos.
Com a sua execução, prevê-se intensificar, nas três províncias, a identificação e tratamento activo da má nutrição, no sentido de recuperar os níveis de saúde de 12 mil crianças gravemente atingidas pela desnutrição, além do apoio essencial ao pacote de serviços de sobrevivência da criança.

Tempo

Multimédia