Províncias

Centro de Reabilitação Física gere melhor stock de material

Matias da Costa | Cuito

A direcção do Centro de Reabilitação Física do Bié está a adoptar, nos últimos meses, novas políticas de atendimento ao público, direccionada a uma melhor gestão do seu stock, com vista a fazer face ao momento de crise financeira que o país atravessa.

O administrador do centro, Bertil Cassoma, disse que  a actual conjuntura económica obrigou a instituição a criar políticas de maior racionamento no atendimento, o que tem permitido a manutenção do stock e suportar a velocidade regular dos serviços.
O responsável salienta que, neste momento, o atendimento é feito de forma programada, em bloco de 25 a 30 pessoas, numa altura em que, além do Bié, o centro também recebe pacientes da Lunda Sul, Malanje e do Moxico.
Neste âmbito, durante o primeiro semestre do ano, o Centro de Reabilitação Física atendeu um total de 2.449 pacientes, assistidos nas áreas de distribuição de próteses e de orteses, consultas de fisioterapia e de ortoprotesia.
Bertil Cassoma referiu ainda que, nas consultas, além da assistência clínica, os pacientes e seus familiares recebem apoio moral, com vista a evitar-se casos severos no futuro.
O administrador apontou as fracturas, amputações, acidentes vasculares cerebrais e as deformidades congénitas como as patologias mais frequentes entre os pacientes que acorrem ao Centro de Reabilitação Física.
O responsável avançou que, durante o período em análise, foram igualmente fabricadas 150 muletas no centro, que dispõe de 30 camas, sendo 20 para homens e dez para mulheres.
Neste momento, o Centro de Reabilitação Física do Bié conta apenas com os préstimos de 40 funcionários, o que dificulta a total funcionalidade da instituição.

Tempo

Multimédia