Províncias

Detectado no Bié um caso de pólio

José Chaves| Andulo (*)

As autoridades sanitárias no município do Andulo detectaram um caso de poliomielite na aldeia de Niquila a 35 quilómetros da sede comunal de Calussinga, disse, na terça-feira, aos jornalistas, o chefe de repartição municipal de Saúde.
Francisco Chiquete garantiu que a criança, de 10 anos, pode voltar a andar com a administração de medicamentos e fisioterapia.
Os exames laboratoriais, afirmou, foram realizados na África do Sul e o teste foi positivo.

As autoridades sanitárias têm levado todos os anos campanhas alargadas de vacinação contra a poliomielite em todo território nacional
Fotografia: Eduardo Pedro

As autoridades sanitárias no município do Andulo detectaram um caso de poliomielite na aldeia de Niquila a 35 quilómetros da sede comunal de Calussinga, disse, na terça-feira, aos jornalistas, o chefe de repartição municipal de Saúde.
Francisco Chiquete garantiu que a criança, de 10 anos, pode voltar a andar com a administração de medicamentos e fisioterapia.
Os exames laboratoriais, afirmou, foram realizados na África do Sul e o teste foi positivo.
"O agente causador da doença é a poliomielite-virus-vacinal e não a pólio-selvagem", referiu.
Francisco Chiquete confirmou a vinda, nos próximos dias, de uma equipa médica e de outros especialistas para fazerem um estudo na região.
A única medida preventiva contra a doença é a vacinação. O Andulo faz fronteira com os municípios do Mungo, na província do Huambo, Quibala e Mussende, Kwanza-Sul, e Cangandala, Malange.
 
Mulheres vacinadas

No quadro do Programa Alargado de Vacinação, 2.500 mulheres em idade fértil, dos 14 aos 45 anos, foram vacinadas contra o tétano em Janeiro, no município da Caála, Huambo. O programa de vacinação está a ser intensificado com o objectivo de reduzir a mortalidade infantil na circunscrição com mais de 200 mil habitantes.
Além desta actividade, as autoridades sanitárias têm realizado palestras sobre cuidados básicos preventivos nos postos e centros de saúde e a importância dos programas de imunização, além de serem distribuídos mosquiteiros tratados com insecticidas de longa duração.

Consultas pré-natais

O chefe da repartição municipal da Saúde de Bula Atumba disse, na terça-feira, à Angop, que as grávidas devem realizar consultas de obstetrícia e pré natais, contribuindo, assim, para a redução das mortes materno-infantis.
Vicente Neto esclareceu que a falta de consulta pré natal pode causar várias complicações, salientando, entre elas, a hemorragia pós parto e partos prolongados, as principais causas de mortes.
No âmbito da campanha de prevenção da malária, das principais causas de mortalidade materno-infantil em Angola, o sector da saúde, afirmou, tem distribuído mosquiteiros impregnados com insecticida nas aldeias da circunscrição.
"A redução da malária só é possível com a implementação de campanhas de sensibilização comunitária para a prevenção da doença, como o uso correcto dos mosquiteiros tratados com insecticida", referiu.
A campanha de rotina, frisou, contempla vários serviços, incluindo as consultas natais, clínica geral, vacinação e testagem voluntária de HIV/Sida.
O responsável elogiou a adesão dos jovens aos postos de aconselhamento e testagem voluntária para saber o estado serológico, contribuindo, desse modo, para a redução e controlo do HIV/Sida no município.
O município do Bula Atumba, 235 quilómetros ao Nordeste da cidade de Caxito, com cerca de 12 mil habitantes, tem as comunas de Kiaji e a sede municipal e 53 aldeias.

Casos de sida 
 
As autoridades sanitárias da província do Bié detectaram 44 casos positivos de sida durante o mês de Janeiro, segundo o supervisor provincial do programa de luta contra a doença, Adelino Camato Chipuco.
O responsável disse à Angop que dos casos positivos, 14 são mulheres grávidas, três crianças e 27 adultos e foram detectados em resultado da realização de 1.464 testes voluntários.
Adelino Camato Chipuco referiu que no mesmo período foram aconselhadas 1.453 pessoas, que recorreram aos centros de aconselhamento instalados nas unidades sanitárias.
Foram igualmente realizadas 45 palestras e distribuídos 30.900 preservativos. O responsável informou que o programa de Luta contra a sida conta com o apoio dos escuteiros, da Associação Samuel Brace Cole, Oxfam, Cruz Vermelha de Angola, Associação das Mulheres Viúvas, Grupo de Apoio à Criança, Associação Viva a Vida Positivamente e Associação Esperança de Angola.
O programa conta ainda com o apoio da Direcção provincial da Família e Promoção da Mulher e JMPLA, entre outras organizações.

(*) Com Angop

Tempo

Multimédia