Províncias

Deterioração de produtos agrícolas preocupa associação de camponeses

Delfina Victoriano | Kuito

A falta de escoamento e a deterioração de diversos produtos agrícolas produzidos pelos camponeses das cooperativas existentes na província do Bié estão a preocupar a União Nacional dos Camponeses de Angola (UNACA).

No município do Chinguar, o maior produtor de batata-rena, chega a registar-se o apodrecimento deste produto por falta de compradores
Fotografia: Adérito Cortez

A falta de escoamento e a deterioração de diversos produtos agrícolas produzidos pelos camponeses das cooperativas existentes na província do Bié estão a preocupar a União Nacional dos Camponeses de Angola (UNACA).
Mariano Sassoma disse que no município do Chinguar, que é o maior produtor de batata-rena, chega a registar-se o apodrecimento deste produto por falta de compradores. Apesar disso, o presidente da UNACA, instituição que integra 46 cooperativas, disse que um dos grandes objectivos do grupo é aumentar cada vez mais os níveis de produção alimentar.
Estes esforços, segundo Mariano Sassoma, enquadram-se no âmbito do programa de combate à fome e à pobreza. Por isso, os agricultores estão cada vez mais a empenhar-se com vista a uma maior produtividade no final da colheita.
Batata-rena, arroz, feijão, milho, sisal, banana, horticultura e café são os principais produtos cultivados na região. Embora, segundo Sassoma, a UNACA ande a incentivar a produção do café e a revitalização das culturas tradicionais.
Os municípios do Kuemba, Kamacupa e Chitembo são os principais produtores de arroz, por isso, o governo local está a trabalhar na base de sensibilização para aumento da produção deste bem.
Mariano Sassoma disse que o governo deve igualmente adoptar políticas que visem o escoamento dos produtos no sentido de animar a prática agrícola, numa altura em que os produtores locais demonstram vontade em desenvolver a actividade. O presidente da UNACA esclareceu igualmente que o sistema de concepção de microcrédito aos camponeses foi retomado pelo Banco Sol, em 2009, com objectivo de permitir que os agentes económicos alcancem rentabilidade, produtividade e eficiência.
Desde 2005, cerca de 122.666 dólares foram já disponibilizados pela referida instituição bancária aos agricultores. Os municípios do Cuito, Andulo, Kamacupa e Katabola foram as localidades abrangidas.
Para que o projecto se estenda a outros camponeses, o banco tem uma parceria de trabalho com a UNACA na formação de novas cooperativas.

Tempo

Multimédia