Províncias

Docentes no Bié querem salários actualizados

Delfina Vitorino | Cuito

O secretário do Sindicato de Professores no Bié, Alberto Lucamba Samanjata, disse no Cuito, que “a não actualização salarial dos quadros do sector pode inviabilizar o arranque das aulas, no próximo ano lectivo”.

O secretário do Sindicato de Professores no Bié, Alberto Lucamba Samanjata, disse no Cuito, que “a não actualização salarial dos quadros do sector pode inviabilizar o arranque das aulas, no próximo ano lectivo”.
O responsável do Sindicado de Professores referiu que o início do próximo ano lectivo fica condicionado à solução desse problema por parte do órgão de tutela, o Ministério da Educação.
“Caso não se atenda o aspecto de tempo de serviço e habilitações literárias pode desencadear-se a greve. Actualmente, um professor que ingressa como licenciado pertence ao sexto escalão, enquanto um quadro com 25 anos exercendo a profissão recebe o mesmo salário ou menos. Isso é considerado uma injustiça”, frisou Alberto Samanjata, reiterando a existência de decretos do Ministério da Educação que regem a política salarial dos professores, de acordo com os níveis e tempo de cada funcionário.
O secretário dos Sindicato de Professores no Bié assegurou que, desde 2004, a província começou a formar os primeiros grupos de licenciados, nas especialidades de Psicologia e Matemática, no Instituto Superior de Ciências da Educação. Actualmente, mais de 1.500 licenciados estão integrados no sector da Educação e não auferem os seus salários de acordo com as suas habilitações literárias.

Tempo

Multimédia