Províncias

Estradas da província do Bié prontas para receber o asfalto

Delfina Victorino |Kuito

Mais de 350 quilómetros de estrada foram asfaltadas no Bié, nas vias que dão acesso às províncias do Kuando-Kubango e do Huambo e no troço Andulo/Calussinga, afirmou ontem o director provincial das Obras Públicas, João Marques Bango.

Projecto visa facilitar a circulação e o escoamento de produtos agrícolas
Fotografia: Jornal de Angola

Mais de 350 quilómetros de estrada foram asfaltadas no Bié, nas vias que dão acesso às províncias do Kuando-Kubango e do Huambo e no troço Andulo/Calussinga, afirmou ontem o director provincial das Obras Públicas, João Marques Bango.
O director provincial das Obras Públicas acrescentou que as obras de reabilitação de estradas permitiram a  reabertura do troço Kuquema/Cangala, até então interdito devido ao seu estado degradante.
Na província do Bié, disse o director provincial das Obras Públicas, foram consignadas 25 obras sociais para serem executadas este ano em diversas localidades.
João Marques Bango frisou que cinco pontes definitivas estão concluídas, das quais três nos troços Kuito/Chitembo.
Dez pontes de madeira foram reabilitadas durante o ano em curso, nos municípios do Chitembo, Katabola e Kuito.
Para diminuir a existência de crianças que estudam  em baixo de árvores, o governo local programou a construção de duas escolas com doze salas cada.
No quadro do programa especial mínimo da cidade do Kuito, está igualmente em curso a construção de um novo hospital municipal, no sentido de diminuir o número de pacientes aglomerados no hospital provincial.
Quanto ao estancamento de ravinas existentes ao lado de casas e vias, o director das Obras Públicas disse que as empresas responsáveis pela reabilitação de estradas estão sensibilizadas para tomar providências, enquanto o governo local vai velar pelas ravinas próximo das residências.
Reconhecendo a má situação das estradas terciárias e secundárias da cidade do Kuito, Marques Bango esclareceu que está a ser colocado novo asfalto no troço que dá acesso à comuna do Kunje, que dista sete quilómetros da cidade do Kuito.
“A verba disponibilizada para os municípios foi insuficiente para terminar todas as acções previstas, por isso, as estradas da cidade do Kuito não mereceram intervenção este ano”, disse o director provincial das Obras Públicas.

Fiscalização
 
Os empreiteiros locais foram obrigados a concluir as obras sociais e administrativas dentro dos prazos contratuais, desde que os pagamentos sejam feitos a tempo, no sentido de não constituir motivos de atrasos nas acções programadas, acentuou o director provincial das Obras Públicas, João Marques Bango.
Os empreiteiros que procuram violar as regras estabelecidas têm estado a ser sancionados judicialmente e muitas vezes perdem a adjudicação de mais obras em qualquer localidade da província.
A situação tem estado a melhorar pelo facto de as verbas serem disponibilizadas em tempo oportuno, por isso, muitos empreiteiros nacionais eestrangeiros procuram manter e cumprir as regras determinadas.
Para o município de Nhârea, 172 quilómetros da cidade do Kuito, está prevista a construção de uma escola politécnica com 12 salas e um centro de aconselhamento familiar.
A via Andulo/Nhârea foi terraplanada e vai ser asfaltada, para facilitar a circulação rodoviária.
A viagem do Kuito para Nhârea demora uma hora, ao contrário das cinco que se fazia nos anos anteriores. Nos municípios do Chitembo e Kuemba foram igualmente consignadas algumas obras, para o melhoramento da sua imagem.
Uma administração comunal na localidade do Malengue, duas escolas e um posto de saúde na comuna do Mutumbo, município do Chitembo, são algumas obras em curso nas referidas localidades.
Para hospedagem dos quadros, as administrações municipais se responsabilizam pela construção de residências.
 “Esperamos que em 2010 existam condições financeiras que possibilitem a melhoria e avanço de obras em todas as localidades da província”, disse o director provincial das Obras Públicas.   

Tempo

Multimédia