Províncias

Excesso de velocidade no acidente de comboio

O excesso de velocidade esteve na base do acidente que causou o descarrilamento do comboio com combustível e cimento, ocorrido sábado no município de Camacupa, província do Bié.

Decorrem trabalhos para a remoção dos 14 vagões
Fotografia: Leonerdo Castr | Angop

A informação foi avançada ontem pelo vice-governador para a Área Técnica e Infra-estruturas, José Fernando Tchatuvela, que acompanha os trabalhos dos técnicos que trabalham no local para a remoção dos 14 vagões que a locomotiva transportava, com gasóleo e gasolina refinados, e recuperação da linha férrea, interdita desde o dia do acidente.
José Fernando Tchatuvela disse ter faltado cautela por parte do maquinista em serviço ao  aproximar-se de uma curva perigosa, perto da aldeia de Santo Biangue.
O vice-governador pediu mais responsabilidade por parte de todos os condutores rodoviários e maquinistas ferroviários de forma a evitar acidentes e salvaguardar vidas humanas e mercadorias.
Para a recuperação da linha férrea, José Fernando Tchatuvela informou que já estão no local gruas e outros equipamentos que vão acelerar a conclusão dos trabalhos para abertura da circulação ferroviária no troço Cuito-Luena, antes de duas semanas inicialmente previstas.     
José Fernando Chatuvela informou  que estão fora de perigo  os dois técnicos dos Caminhos-de-Ferro de Benguela, bem como os dois oficiais da Polícia Nacional que acompanhavam a locomotiva e tiveram ferimentos ligeiros. “Eles foram prontamente atendidos no hospital local de Camacupa e estão completamente fora de perigo”, assegurou o vice-governador.
O descarrilamento do comboio ocorreu numa área desabitada e de difícil acesso. Para evitar  outros transtornos, as autoridades policiais e de protecção civil montaram um perímetro de segurança no local, onde também está um equipa da Sonangol para avaliar os danos e orientar o início das operações de transferência dos combustíveis para camiões-cisternas.
Com esta acção,  a Sonangol pretende iniciar o mais depressa possível o transporte rodoviário de combustíveis, a fim de reduzir ao mínimo os inconvenientes que possam advir para os consumidores da província do Moxico. Grande parte do combustível para as províncias do Bié e Moxico é transportada pelos comboios do CFB. No ano passado foram transportados entre a província sede da empresa ferroviária e as regiões do Huambo, Bié e Moxico, 47.563 toneladas de mercadorias diversas e um total de 365.175 passageiros, um aumento de 77 mil pessoas em relação ao ano anterior.
Fruto destes serviços, a empresa arrecadou mais de 629 milhões de kwanzas, mais 35 milhões em comparação com o período anterior, com a realização de 285 circulações.
Mais de dois milhões de passageiros e 95 mil toneladas de mercadorias diversas, com destaque para combustíveis, gás, material de construção, bebidas e madeira, foram transportados pelos comboios do Caminho-de-Ferro de Benguela, desde o reinício da circulação, em Agosto de 2011, até Maio deste ano. Os benefícios do comboio para as populações do centro e leste do país são visíveis na circulação de pessoas e bens da cidade para o campo e vice-versa e na importação de produtos pelos empresários locais, provocando a baixa dos preços dos principais produtos.

Tempo

Multimédia