Províncias

Falta de vacinas origina morte de dez vítimas de mordeduras

Delfina Victoriano| Kuito

Dez pessoas acabaram por morrer, nos últimos meses, no Bié, por falta de vacinas anti-rábicas depois de terem sido mordidas por cães e gatos, lamentou o chefe de departamento epidemiológico da direcção provincial da Saúde, Nelson Stover.

Dez pessoas acabaram por morrer, nos últimos meses, no Bié, por falta de vacinas anti-rábicas depois de terem sido mordidas por cães e gatos, lamentou o chefe de departamento epidemiológico da direcção provincial da Saúde, Nelson Stover.
A província registou 40 casos de pessoas mordidas por cães, gatos e outros animais domésticos, nos últimos meses, disse Nelson Stover.
O responsável assegurou que, há duas semanas, a direcção da Saúde recebeu, em poucas quantidades, doses de vacinas anti-rábicas que estão a ajudar na prevenção de indivíduos infectados pela mordedura de cães contaminados pela raiva.
Os municípios do Cuito, Andulo, Kamacupa e Chinguar são as localidades mais assoladas por esta carência de vacinas, embora estejam em condições de prevenir certos casos, referiu Nelson Stover
Em relação aos municípios do Kuemba, Chitembo e Nharêa, disse existir um programa de vigilância epidemiológica, que contempla a imunização e mobilização social. />A presença de supervisores em todas as localidades é uma das formas de prevenção criada pelo Ministério da Saúde, no sentido de se evitarem casos dramáticos.
Os supervisores, segundo Nelson Stover, têm a missão de informar a existência de casos notificados por mordeduras. Assim, o programa de imunização tem canalizado vacinas em todos os municípios sempre que existirem quantidades suficientes.
Neste momento, estão a ser desenvolvidas acções de sensibilização comunitária, com vista a informar as pessoas mordidas da necessidade de procurarem os serviços sanitários.
Fruto da falta de vacinas, o chefe provincial dos serviços de veterinária do Ministério da Agricultura, Domingos da Cruz Ngueve, disse que a instituição em que trabalha foi obrigada a interromper a campanha de vacinação.
Até agora, segundo o responsável, 8.750 animais foram já vacinados em diversas localidades, embora seja considerado insuficiente, tendo em conta a extensão territorial da província.

Tempo

Multimédia