Províncias

Garimpeiros ilegais invadem Cassumbi

José Chaves | Andulo

As autoridades administrativas de Cassumbi, Andulo, estão preocupadas com a proliferação, na comuna, de garimpeiros ilegais de diamantes, disse, ao Jornal de Angola, o administrador Ernesto Saco.

As autoridades administrativas de Cassumbi, Andulo, estão preocupadas com a proliferação, na comuna, de garimpeiros ilegais de diamantes, disse, ao Jornal de Angola, o administrador Ernesto Saco.
O administrador afirmou que o movimento de viaturas pesadas com meios para a exploração de diamantes se intensificou nos últimos dias e que os garimpeiros estão a utilizar meios de extracção de diamantes e de navegação fluvial modernos.
Os garaimpeiros, referiu, criaram um bairro clandestino na confluência entre os rios Kwanza e Kunhinga, cujo acesso apenas é possível com recurso a canoas e bóias. Além de cidadãos nacionais, disse, presume-se que haja a presença de estrangeiros ilegais protegidos por angolanos.
O município do Andulo e outros da província de Malange, que fazem fronteira nas margens do rio Kwanza, estão identificados como porta de entrada de estrangeiros.
A comuna de Casumbi, a 50 quilómetros da sede municipal do Andulo, tem 2.100 quilómetros quadrados e cerca de 23.500 habitantes, que se dedicam, essencialmente, à agricultura, apicultura, pesca fluvial e à caça.

Tempo

Multimédia