Províncias

Governo do Bié aposta em obras de impacto social

O vice-governador do Bié para o sector Técnico e Infra-estruturas, José Fernando Tchatuvela, anunciou sábado  que o Governo da província tem um projecto integrado de recuperação de infra-estruturas viárias na cidade do Cuito e na comuna do Cunje.

O projecto irá contemplar os bairros Cantíflas, Câmara, Cambulucuto, Ilha, Catemo, São José, Piloto, Militar, Azul e Engenharia, no município do Cuito.
José Fernando Tchatuvela salientou que o Governo continua a trabalhar para garantir maior mobilidade rodoviária, assim como a segurança na transportação de pessoas e bens.
Os projectos, acrescentou, serão implementados no âmbito da linha de crédito da China e incluem, igualmente, obras relacionadas com a construção de novos sistemas de abastecimento de água potável, iluminação pública, melhoria das estradas, pavimentação de ruas, valas de drenagem, esgotos, lancis e passeios.
Os moradores e automobilistas do bairro Embala, arredores da cidade do Cuito, defenderam uma rápida intervenção no troço rodoviário da Rua Silva Porto e nas imediações da Regedoria Provincial, dada a sua degradação.
Interpelados pela Angop, os moradores e automobilistas manifestaram-se preocupados com o estado crítico da estrada, situação que já dura há cerca de quatro anos e que deixou a via completamente esburacada e sem asfalto.
O cidadão Manuel de Carvalho, 72 anos, residente naquela localidade há mais de três décadas, salientou que a degradação dificulta a circulação de pessoas e bens, ao mesmo tempo que alertou sobre o surgimento de pequenas ravinas, como consequência da chuva abundante que tem caído sobre a região.
O automobilista José Fernando Caliata deplorou o avançado estado de degradação da via que liga o centro da cidade aos mercados do Chissindo e Caue, respectivamente a cinco e 12 quilómetros a sul da capital biena.
José Fernando Caliata lançou igualmente um apelo aos moradores, no sentido de se juntarem ao esforço do Governo, consubstanciado na recolha do lixo e preservação do ambiente.
Por seu turno,  o munícipe Adelino Constantino, morador do bairro Embala, há 28 anos, lamentou o desaparecimento, fruto da falta de manutenção, associada à vandalização, do largo infantil, que divertia as crianças e que hoje se transformou num espaço ocupado por sucata e lixo.

Tempo

Multimédia