Províncias

Habitantes pedem construção de ponte sobre o rio Kwanza

José Chaves

A falta de uma ponte sobre o rio Kwanza na sede da comuna do Dando, no município da Nharêa, no Bié,  para ligar a localidade à aldeia Samoma, no município do Luquembo, em Malange, está a dificultar a livre circulação de pessoas e bens na região.

Fotografia: DR

Os habitantes da aldeia Samoma estão há anos isolados da sede municipal e da província.
Além da  ponte, o péssimo estado das estradas impede contactos com as aldeias vizinhas, facto que está a preocupar as autoridades municipais e provinciais.
Sem recursos, as autoridades locais clamam por apoios do Governo Provincial face às dificuldades que a situação tem criado às populações da comuna do Dando, que solicitam às autoridades administrativas a construção de uma ponte sobre o rio Kwanza,  para possibilitar a livre circulação de pessoas e bens.
 Pedro Fernando, de 43 anos, residente na vila do Dando, afirmou ao Jornal de Angola que “a maioria da população atravessa de canoas improvisadas, correndo vários riscos”.
Maria Teresa, que vive na aldeia de Samoma, afirmou que diariamente atravessa de canoa o rio Kwanza, saíndo da sua aldeia pertencente administrativamente a Malange, para a sede do Dando, no Bié.
Sublinhou que a falta de uma ponte inviabiliza as trocas comerciais entre os povos das duas províncias. Maria Teresa  pede por isso às autoridades de direito para construírem uma ponte sobre o rio Kwanza. “Com a construção da   ponte, a livre circulação de pessoas e bens vai contribuir para o desenvolvimento acelerado da região, visto que a ponte faz a ligação de duas localidades  potencialmente agrícolas e com recursos que podem assegurar o bem-estar social das populações do Bié e da província de Malange”.
A administradora  municipal da Nharêa, Lúcia Chicapa, que vistou a comuna do Dando para se inteirar das principais dificuldades, disse que desde a época colonial nunca foi construída uma ponte  e “a população, estimada em oito mil habitantes, sempre atravessou este imponente rio com recursos a canoas e jangadas”.

Tempo

Multimédia