Províncias

Igreja evangélica reconhece os esforços para melhorar nível de vida na província

Delfina Vitorino | Cuito

A construção de escolas, postos e centros médicos, infra-estruturas administrativas e a reconstrução das missões evangélicas em algumas localidades do interior da província do Bié são sinais significativos das acções desenvolvidas pelo Governo para a melhoria do bem estar das populações.

Várias infra-estruturas erguidas pelo Executivo nos últimos anos estão a conferir uma nova imagem às localidades do Bié
Fotografia: Paulino Damião

A construção de escolas, postos e centros médicos, infra-estruturas administrativas e a reconstrução das missões evangélicas em algumas localidades do interior da província do Bié são sinais significativos das acções desenvolvidas pelo Governo para a melhoria do bem estar das populações.
O reconhecimento é do secretário provincial da Igreja Evangélica Congregacional em Angola, reverendo António Eurico, tendo assegurado que no processo de construção e reconstrução de diversas infra-estruturas é visível o envolvimento da juventude, sendo, por isso, “importante prestar maior atenção ao esforço e capacidade desta camada da sociedade”.
Cerca de 75 por cento da mão-de-obra nas empreitadas de reconstrução em todo o território nacional têm o envolvimento dos jovens que até então se encontravam desempregados, sublinhou António Eurico, realçando a intervenção dos empresários, como parceiros do Executivo no processo de desenvolvimento do país.
“A estrada nacional que sai da vizinha província do Huambo está totalmente asfaltada e possibilita hoje a livre circulação de pessoas e bens sem constrangimentos. Várias pessoas que não conheciam o interior das províncias, hoje viajam por terra e podem chegar a todo o lado”, disse, sublinhando que a contínua construção de escolas dos níveis primário, secundário, médio e superior têm sido uma “prioridade” do Executivo e estão a tirar progressivamente muitos jovens de actividades anti-sociais.
O responsável da IECA no Cuito destacou a execução de várias especialidades nas áreas de educação e saúde que, como disse, estão a impedir a deslocação de muitos jovens para outras localidades.
Aos jovens casais, o pastor da Igreja Evangélica recordou que é necessário manter o diálogo permanente durante o início das relações afectivas para saber os principais objectivos para que se unem.
“A juventude deve criar o sentimento de amor para minimizar a desagregação familiar cujas consequências recaem sobre os filhos”, disse António Eurico, interrogando-se sobre “que tipo de sociedade teremos, se até jovens formados se abstiverem das suas responsabilidades familiares”.
Disse ainda que é importante que cada um reflicta sobre o seu comportamento, principalmente quando se é intelectual, para dar exemplos positivos e garantir uma sociedade angolana sadia.
 “Temos um país em construção, mas não se deve apenas basear nas infra-estruturas, pois há a necessidade da mudança de mentalidade das pessoas”, concluiu o reverendo da Igreja Evangélica Congregacional de Angola.

Tempo

Multimédia