Províncias

Instituto de Ciências da Educação com mais vagas neste ano lectivo

Joaquim Júnior |Uíge

O Instituto Superior de Ciências da Educação do Uíge tem disponíveis 1.380 vagas para os estudantes interessados em frequentar os cursos superiores de Psicologia, Pedagogia, Matemática, História, Geografia, Biologia, Física, Química, Filosofia, Língua Portuguesa, Francês e Inglês, que são ministrados na instituição.

O Instituto Superior de Ciências da Educação do Uíge tem disponíveis 1.380 vagas para os estudantes interessados em frequentar os cursos superiores de Psicologia, Pedagogia, Matemática, História, Geografia, Biologia, Física, Química, Filosofia, Língua Portuguesa, Francês e Inglês, que são ministrados na instituição.
Do número de vagas disponíveis, 760 são para os cursos diurnos ou regulares e 620 para os cursos nocturnos ou pós-laborais. “O ISCED do Uíge oferece, este ano, mais 250 vagas em relação ao ano passado, devido à libertação das salas que antes estavam ocupadas pelos estudantes da Faculdade de Direito da Universidade Kimpa Vita, que agora passaram para o seu próprio edifício”, disse o director adjunto do Instituto para os Assuntos Académicos.
Em declarações ao Jornal de Angola, Penado Alberto referiu que as inscrições para os exames de acesso à instituição, que decorrem desde 14 de Janeiro, encerram no dia 2 de Fevereiro. Os trabalhos de preparação do presente ano académico começaram com a realização de várias actividades académicas, como a publicação dos temas para o acesso, a elaboração do calendário académico e a abertura das inscrições de acesso à instituição.
Os exames de aptidão para admissão de novos estudantes na instituição realizam-se de 11 a 16 de
Fevereiro. Antes disso, são publicadas as listas dos candidatos inscritos e que vão disputar as 1.380 vagas disponíveis. A confirmação das matrículas para os apurados e o arranque das aulas acontecem em Março. O perfil de entrada abrange todos os cidadãos que tenham feito o ensino médio, independentemente do ramo de formação. Para as inscrições, os candidatos devem apresentar os documentos habituais para a constituição de um processo de inscrição.
Em caso de dificuldades com a documentação, tendo em conta o facto de algumas instituições escolares atrasarem a entrega dos certificados, o ISCED do Uíge está a utilizar as listas de estudantes finalistas das respectivas escolas, para facilitar as suas inscrições na instituição e posteriormente apresentarem a documentação necessária, na altura das matrículas.

Novos cursos

O ISCED pretende abrir novas licenciaturas. Penado Alberto avançou a intenção da instituição poder vir a formar professores para o ensino primário e de Educação Física, para minimizar o défice de professores formados nestas áreas.
“Precisamos de criar este corpo de professores com nível de licenciatura, para ver se conseguimos ultrapassar algumas situações existentes no ensino primário e com a Educação Física”, explicou.
“O Uíge dispõe de um número insignificante de professores formados em Educação Física, e o pior de tudo é que a maioria não tem formação superior nesta disciplina tão importante para a saúde. Isso constitui um grande problema que queremos ver resolvido nos próximos anos”, afiançou. Penado Alberto anunciou a abertura, em Junho deste ano, de cursos de Mestrado em Psicologia, Pedagogia e História, em termos experimentais, fruto de um protocolo rubricado no ano passado entre a instituição e a Universidade do Porto (Portugal), consubstanciado na cedência de professores para responderem à necessidade desta instituição superior na província. “Esses docentes vão poder ajudar, tanto nos cursos de licenciatura como nos de mestrado”, adiantou.
De acordo com o académico, os cursos de mestrado vão ajudar a reduzir a saída de muitos quadros da província, que depois de licenciados se deslocam para fora do Uíge ou do país, para prosseguirem os seus estudos. Outros cursos podem vir a ser abertos, caso os resultados sejam satisfatórios. A direcção pretende que, até 2020, o ISCED local seja transformado numa verdadeira Universidade.  “Na política da instituição consta a expansão dos serviços do ensino superior no interior da província. Nós identificámos alguns pontos que, numa primeira fase, permitem que estendamos os nossos serviços, com a criação de pólos nos municípios de Sanza Pombo, Songo e Damba”, referiu. O pólo do Sanza Pombo pode atender os municípios do Quimbele, Buengas, Milunga, Puri e Cangola, enquanto a Damba apoia os estudantes de Maquela do Zombo e Bungo.
 Songo vai ser o centro de acolhimento dos estudantes do Bembe, Ambuila e Mucaba. Os municípios do Uíge, Negage e Quitexe vão continuar a depender da unidade institucional central. “São os pontos que estão a ser estudados para estendermos o nosso trabalho. Mas a extensão destes serviços vai também depender das administrações municipais para a criação de condições infra-estruturais para albergar os serviços e o corpo docente”, concluiu.

Tempo

Multimédia