Províncias

Intensificado combate à má nutrição na região

Delfina Victorino| Cuito

Mais de 500 activistas comunitários procuram identificar casos de má nutrição nos municípios do Andulo, Cuito, Camacupa, Chitembo e Cuemba, no Bié.

De acordo com a chefe da missão da organização não-governamental da República Checa People in Need, Cristina Santos, existe uma parceria entre as comunidades e as autoridades do sector público e da Saúde.   
Cristina Santos disse que o consórcio de agentes ligados à ONG People in Need, Visão Mundial, Africare, UNICEF e à Comunidade Europeia trabalham em colaboração com as autoridades locais no combate à má nutrição aguda.
As crianças que apresentam problemas de saúde, desde a má nutrição aguda severa ou moderada, independentemente da patologia, vão ser tratadas nas comunidades em que se encontrarem, explicou a responsável.
O tratamento dos pacientes nas comunidades em que se encontram é um mecanismo que visa auxiliar as unidades sanitárias e garantir um acompanhamento permanente das famílias.
Além disso, os casos que apresentam complicações e exigem uma maior atenção são transferidos e referenciados para as unidades sanitárias nas sedes municipais do Bié. Mais de 1.500 palestras foram realizadas para um universo de cerca de 45 mil pessoas de distintas localidades do interior do Bié, sobre casos de má nutrição, que está relacionada com a deficiente educação alimentar e de higiene por parte das famílias.

Merenda escolar

Um grupo de 38 mil alunos do ensino primário da província do Bié foi contemplado, em 2013, no programa de merenda escolar, informou, no Cuíto, a directora do Gabinete de Estudos e Planeamento do Governo provincial, Deolinda Benvinda Gonçalves.
A responsável disse que a merenda escolar foi confeccionada à base de produtos do campo e  alimentos industrializados, como bolachas e sumos.
Sem revelar o número de alunos beneficiados no presente ano,  a directora informou que a atenção do Governo do Bié, através da direcção da Educação,  Ciências e Tecnologias, está virada para as crianças mais carenciadas, sobretudo nas zonais rurais onde o nível de absentismo é elevado. Deolinda Gonçalves realçou que o Governo  traçou estratégias por forma a que a merenda escolar sirva de atractivo para as crianças em idade escolar, a fim de mantê-las nas escolas.

Tempo

Multimédia