Províncias

Mau estado das estradas dificulta as deslocações

Delfina Victoriano| Kuito

O mau estado das estradas principais, secundárias e terciárias, que dão acesso às sedes municipais e comunais da província do Bié, têm dificultado a deslocação dos novos quadros dos sectores da Educação e Saúde.

Um ângulo da cidade do Cuito onde as autoridades apostam na reabilitação das vias de acesso
Fotografia: Paulino Damião

O mau estado das estradas principais, secundárias e terciárias, que dão acesso às sedes municipais e comunais da província do Bié, têm dificultado a deslocação dos novos quadros dos sectores da Educação e Saúde.
Os serviços de transportes públicos encontram várias barreiras para circular pelas referidas estradas, situação que tem criado algumas contrariedades aos técnicos, uma vez que boa parte deles recorre a estes meios para chegar aos seus postos de trabalho.
Perante esta realidade, o líder da Igreja Evangélica dos Irmãos em Angola (IEIA), Bernardo Capeio Adelino, defendeu uma maior celeridade na execução das obras de recuperação das estradas. O reverendo salientou a importância das vias de comunicação no desenvolvimento de qualquer sociedade e alertou o governo e as instâncias judiciais para a necessidade de tomarem medidas destinadas a pressionar os empreiteiros a cumprirem os prazos previstos para a execução das obras.
Fruto da ausência de transportes nalgumas destas vias, os residentes em locais de difícil acesso são obrigados a calcorrear longas distâncias para atingirem os seus postos de labuta, lamentou o líder da IEIA.
A directora provincial dos Transportes, Correios e Telecomunicações, Marta Artur, explicou que os transportes públicos entregues pelo governo, no ano passado, para transporte de pessoas e bens estão limitados na sua circulação, por falta de vias em condições. As comunas da Chicala, Cambândua, Chivaulo, nos municípios do Cuito e Andulo, eram as rotas que beneficiavam de maior número de autocarros, mas a degradação das estradas obrigou à retirada dos mesmos, aguardando-se que as entidades competentes melhorem as estradas.

Tempo

Multimédia