Províncias

Medidas para atendimento dos doentes

A Administração Municipal do Cutio garantiu ontem que vai envidar esforços para ultrapassar a situação dos familiares de pacientes internados nas unidades clínicas da região que continuam a passar noites ao relento.

Hospitais do município com falta de enfermeiros para dar resposta as várias solicitações
Fotografia: Sérgio Dias| Bié

Reunidos no Conselho de Auscultação e Concertação Social, os membros do governo provincial manifestaram preocupação pela situação dos familiares de doentes que se encontram acamados no Centro Materno Infantil do Cuito.
O administrador municipal do Cuito, Avis Agostinho Vieira, disse que a existência de várias famílias de pacientes nas imediações do Centro Materno-Infantil obriga a uma tomada de medidas.
Enquanto a situação não é resolvida, o administrador pede aos familiares dos pacientes para se dirigirem ao Hospital Geral do Bié, que dista cerca de um quilómetro do Centro Materno-Infantil, por aí existirem melhores condições de acolhimento.

Medidas provisórias

Avis Agostinho Vieira disse que a medida provisória tem a ver com a necessidade dos familiares permanecerem no outro estabelecimento clínico e não no Centro Materno-Infantil.
O administrador acrescentou que a medida vai ajudar a diminuir os embaraços que os técnicos de saúde têm enfrentado na circulação e garantir melhor assistência aos pacientes.
Avis Agostinho Vieira esclareceu ainda que o número insuficiente de enfermeiros no atendimento aos pacientes é outro problema que as autoridades pretendem ver ultrapassada.Em relação ao sector da Educação, Avis Agostinho Vieira disse que as comunas do Cuito necessitam de mais escolas do II ciclo do ensino secundário, para encurtar as distâncias de casa às instituições de ensino.
O administrador municipal do Cuito revelou que apenas as comunas do Cunje e de Trumba, possuem escolas do II ciclo do ensino secundário.

Tempo

Multimédia