Províncias

Milhares de camponeses beneficiam de investimento

Xavier Candumba e Sérgio V. Dias| Cuito

A actividade agrícola desenvolvida por 175 camponeses das províncias do Bié, Huambo e Malanje ganha outro impulso, a partir de agora, com o lançamento da segunda fase do Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar e Comercialização (Mosap 2), assegurou a representante do Banco Mundial.

Governo e parceiros sociais apostam no aumento dos níveis de produção nas comunidades no âmbito do programa de combate à pobreza
Fotografia: Santos Pedro|Edições Novembro

A actividade agrícola desenvolvida por 175 camponeses das províncias do Bié, Huambo e Malanje ganha outro impulso, a partir de agora, com o lançamento da segunda fase do Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar e Comercialização (Mosap 2), assegurou a representante do Banco Mundial.
Clara de Sousa, que falava durante o seminário de lançamento do projecto, no Cuito, numa cerimónia testemunhada pelo governador do Bié, Boavida Neto, e por membros do seu governo, avançou que o programa está avaliado em cerca de 95 milhões de dólares.
A representante do Banco Mundial disse que o Mosap consolida uma grande parceria entre a instituição bancária e o Executivo angolano, numa altura em que contribui para o aumento da produtividade agrícola, através da prestação de melhor serviço de apoio ao investimento e a pequenos produtores em áreas seleccionadas.
Como resultado desse processo, Clara de Sousa disse que o trabalho conjunto desenvolvido pelo Banco Mundial e o Executivo, através do Ministério da Agricultura, permitiu estender a acção do Mosap às províncias do Bié, Huambo e Malanje. A representante do Banco Mundial assegurou ainda que o Fundo da Nações Unidas para Alimentação (FAO) intervém também neste projecto que melhora a condição de vida das famílias das zonas rurais. Clara de Sousa aponta igualmente as vantagens da segunda fase do Mosap, que reduz as assimetrias no seio dos camponeses e permite o crescimento do nível de produção nesta fase em que o Governo envida esforços para diversificar a economia nacional. O governador do Bié manifestou-se satisfeito pelo lançamento da segunda fase do Mosap na região, lembrando que o acto representa um incentivo para se alcançar o desenvolvimento sustentável das comunidades.
Boavida Neto referiu que a abrangência desse projecto traduz uma vitória para a província do Bié, razão pela qual espera-se que o programa abranja os nove municípios da região.
O secretário de Estado da Agricultura, José Amaro Tati, que participou no seminário, destacou a necessidade do aumento da produção por via da geração de postos de trabalho no campo.
“O aumento da renda nacional, na sequência do corrente estudo, representa um dos meios privilegiados e das formas mais sustentadas para ajudar o combate à fome e à pobreza”, justificou o secretário de Estado.

Gestão participativa

De quarta-feira até ontem realizou-se um outro seminário sobre “Gestão participativa com enfoque de género”, em simultâneo, nas províncias do Bié e da Huíla.
Pretende-se com o mesmo actualizar os administradores municipais e directores provinciais sobre a Lei da Administração Local do Estado, com foco nas questões relativas à garantia da auscultação e informação dos cidadãos. Para esse efeito, o Instituto de Formação da Administração Local (IFAL), no cumprimento da sua missão de formar e capacitar técnicos e agentes públicos, tem contado com o apoio de parceiros para a execução das actividades.

Tempo

Multimédia